Nove crianças socorridas por suspeita de intoxicação alimentar

Jovens estão a ser "objeto de uma triagem no local" feita pelos médicos do INEM

Nove crianças que participavam num campo de férias na Praia de Mira foram hoje socorridas por uma equipa médica do INEM por apresentarem um quadro clínico compatível com uma intoxicação alimentar, disse o comandante dos Bombeiros de Mira.

Segundo o comandante Nuno Pimenta, os Bombeiros de Mira e uma equipa médica do Instituto Nacional de Emergência Médica de Portugal, apoiados por uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER), ocorreram ao local a meio da manhã, quando nove crianças, "todas na casa dos dez anos", apresentaram um quadro clínico de vómitos, diarreia e mal-estar.

Antes da chegada ao local das forças de socorro e da Proteção Civil municipal, um dos jovens foi transportado "por precaução" ao Hospital Distrital de Aveiro, onde se encontra a recuperar. Os restantes jovens estão a ser "objeto de uma triagem no local" feita pelos médicos do INEM.

O campo de férias estava a decorrer nas instalações da Casa da Sagrada Família (conhecida na região como a casa das Zitas), mas a organização pertencia a uma associação independente, sem qualquer relação com a instituição religiosa que aluga quartos para férias à saída sul da praia.

Para além da assistência prestada às crianças, as equipas médicas, de proteção civil e da GNR que se encontram ainda no local estão a tentar apurar o que poderá ter corrido mal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...