Navio com derrame de ácido no Porto de Leixões

Administração do porto afirma que o ácido fórmico "não é contaminante", mas foram tomadas "medidas de contingência"

Um navio que transportava um contentor com um derrame de ácido fórmico acostou esta segunda-feira no Porto de Leixões, confirmou à Lusa a Administração dos Portos do Douro e Leixões (APDL).

Segundo a APDL, o derrame era "ligeiro" e o ácido fórmico que "não é contaminante", mas como se verificou a libertação de gases, aquela administração portuária "tomou de imediato conta da ocorrência e ativou as medidas de contingência habituais, tendo sido envolvida a Proteção Civil, de forma a acompanhar o descarregamento do contentor do navio".

A página oficial da Autoridade Nacional de Proteção Civil assinala que a ocorrência foi registada às 12h20, sendo designada como "químicos, dentro de uma instalação".

No local estão, segundo a proteção civil, 34 homens apoiados por 11 veículos.

Contactado pela Lusa, o vereador do pelouro da Proteção Civil, José Pedro Rodrigues, explicou que as operações de contenção ainda decorrem, estando o produto derramado "contido no interior do porto".

"Para já, as operações até ao momento permitem considerar que não há razão para alarme. Não há perigo para a população", sublinhou.

Além disso, José Pedro Rodrigues acrescentou que estão a ser apuradas as circunstâncias e o produto derramado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.