MP pede prisão preventiva para novos suspeitos da invasão à Academia de Alcochete

Após o interrogatório no Tribunal do Barreiro, o Ministério Público pediu a prisão preventiva aos nove detidos, suspeitos da invasão à Academia do Sporting

O Ministério Público pediu a prisão preventiva dos nove detidos, suspeitos de terem participado na invasão da Academia do Sporting, em Alcochete, avança a SIC Notícias.

Depois de concluído o interrogatório no Tribunal do Barreiro, o MP, nas alegações finais, pediu a medida de coação mais gravosa.

De acordo com um comunicado divulgado pela Procuradoria Distrital de Lisboa foram detidos nove elementos na segunda-feira, o que perfaz um total de 36 pessoas detidas pelos incidentes ocorridos em Alcochete, em que um grupo de encapuzados invadiu a Academia e agrediu vários jogadores e elementos da equipa técnica do Sporting.

A um dos nove detidos já lhe foi aplicada a prisão preventiva, uma vez que se encontra internado no Hospital de São José, e "não havendo condições para o cumprimento do prazo, para apresentação ao juiz de instrução criminal, para ser sujeito a primeiro interrogatório judicial (48 horas), foi-lhe aplicada a medida de coação de prisão preventiva", pelo juiz de instrução criminal do Tribunal do Barreiro.

No dia 15 de maio, a equipa de futebol do Sporting foi atacada na Academia do clube por um grupo de cerca de 40 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos, jogadores e 'staff'.

Na altura, a GNR deteve 23 dos atacantes, que permanecem em prisão preventiva.

A 5 de junho foram detidas mais quatro pessoas, entre as quais o antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, que também ficaram em prisão preventiva.

Estes 27 arguidos estão indiciados por vários crimes, nomeadamente sequestro, ofensa à integridade física qualificada, introdução em lugar vedado ao público, dano com violência, terrorismo, resistência e coação sobre funcionário.

Com Lusa.

Ler mais

Exclusivos

João Almeida Moreira

DN+ Cadê o Dr. Bumbum?

Por misturar na peça Amphitruo deuses, e os seus dramas divinos, e escravos, e as suas terrenas preocupações, o dramaturgo Titus Plautus usou pela primeira vez na história, uns 200 anos antes de Cristo, a expressão "tragicomédia". O Brasil quotidiano é um exemplo vivo do género iniciado por Plautus por juntar o sagrado, a ténue linha entre a vida e a morte, à farsa, na forma das suas personagens reais e fantásticas ao mesmo tempo. Eis um exemplo.