MP pede prisão preventiva para novos suspeitos da invasão à Academia de Alcochete

Após o interrogatório no Tribunal do Barreiro, o Ministério Público pediu a prisão preventiva aos nove detidos, suspeitos da invasão à Academia do Sporting

O Ministério Público pediu a prisão preventiva dos nove detidos, suspeitos de terem participado na invasão da Academia do Sporting, em Alcochete, avança a SIC Notícias.

Depois de concluído o interrogatório no Tribunal do Barreiro, o MP, nas alegações finais, pediu a medida de coação mais gravosa.

De acordo com um comunicado divulgado pela Procuradoria Distrital de Lisboa foram detidos nove elementos na segunda-feira, o que perfaz um total de 36 pessoas detidas pelos incidentes ocorridos em Alcochete, em que um grupo de encapuzados invadiu a Academia e agrediu vários jogadores e elementos da equipa técnica do Sporting.

A um dos nove detidos já lhe foi aplicada a prisão preventiva, uma vez que se encontra internado no Hospital de São José, e "não havendo condições para o cumprimento do prazo, para apresentação ao juiz de instrução criminal, para ser sujeito a primeiro interrogatório judicial (48 horas), foi-lhe aplicada a medida de coação de prisão preventiva", pelo juiz de instrução criminal do Tribunal do Barreiro.

No dia 15 de maio, a equipa de futebol do Sporting foi atacada na Academia do clube por um grupo de cerca de 40 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos, jogadores e 'staff'.

Na altura, a GNR deteve 23 dos atacantes, que permanecem em prisão preventiva.

A 5 de junho foram detidas mais quatro pessoas, entre as quais o antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, que também ficaram em prisão preventiva.

Estes 27 arguidos estão indiciados por vários crimes, nomeadamente sequestro, ofensa à integridade física qualificada, introdução em lugar vedado ao público, dano com violência, terrorismo, resistência e coação sobre funcionário.

Com Lusa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.