Morreu Rui Alarcão

O antigo reitor da Universidade de Coimbra morreu aos 88 anos, no Centro Hospitalar e Universitário daquela cidade.

Rui Alarcão, que estava internado no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, faleceu este domingo, segundo o Diário da Beiras.

O professor catedrático desde 1978, nasceu em Coimbra em 1930, tendo-se doutorado em Direito em 1971.

Foi Reitor da Universidade de Coimbra entre os anos de 1982 e 1998. Na Faculdade de Direito, lecionou as disciplinas de Teoria Geral do Direito Civil; Direito das Obrigações; Direito Comparado e Introdução ao Estudo do Direito.

Exerceu os seguintes cargos: presidente do Conselho Diretivo da Faculdade de Direito, professor bibliotecário, membro do Conselho de Estado, Comissão Constitucional, Conselho Nacional do Ensino Superior, Conselho Nacional de Educação, Comissão Redatora do Código Civil, Comissão Revisora do Código Civil e era chanceler das Ordens Honoríficas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.