Morreu o ex-professor universitário madeirense David Pinto Correia

Docente foi um dos fundadores da Universidade da Madeira.

O antigo professor universitário David Pinto Correia, um dos fundadores da Universidade da Madeira, morreu no domingo, em Lisboa, vítima de um AVC, informou esta segunda-feira o executivo madeirense.

Na nota divulgada pela presidência, o Governo Regional recorda que David Pinto Correia, presidente da terceira e última comissão instaladora da academia do arquipélago, foi professor de várias universidades portuguesas, onde "desempenhou altos cargos e liderou vários projetos de investigação que se vieram a revelar manuais de leitura obrigatória".

Nascido em 14 de dezembro de 1939, em São Gonçalo, no Funchal, Pinto Correia era doutorado em Letras pela Universidade de Lisboa, à qual esteve durante longos anos ligado.

Foi "um dos mais reputados autores e investigadores da etnografia e das literaturas oral e tradicional portuguesas", sublinha a nota.

"O Governo Regional vem endereçar à família enlutada os mais sinceros pêsames e associar-se à sua dor, aproveitando para enaltecer a figura ilustre do pensador e investigador, mas também do madeirense e do homem de bom trato e que teve o condão de fazer amigos por onde passava", acrescenta.

O executivo afirma a sua gratidão para com o "ilustre madeirense" devido aos "relevantes serviços prestados em nome da região, da cultura madeirense e da autonomia".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.