Morreu a criança belga que ficou presa numa piscina em Azeitão 

Menino de 6 anos esteve internado uma semana no Hospital Dona Estefânia

Vic Wanzeele, o menino belga de seis anos que ficou preso numa piscina em Azeitão na semana passada, morreu esta segunda-feira de manhã.

O rapaz ficou preso no filtro de uma piscina de uma casa particular em Azeitão, Setúbal, na passada terça-feira. O anúncio da morte foi dado pelo próprio pai na sua página do Facebook. O DN confirmou com fonte do Hospital Dona Estefânia - onde o menor estava internado - que a criança não resistiu ao acidente.

Recorde-se que o rapaz ficou preso por um braço no ralo de aspiração da piscina da casa onde estava a passar férias com a família em Azeitão. A criança ficou submersa durante alguns minutos, até ser retirada do local pelos bombeiros e reanimada por uma equipa de emergência médica. O alerta foi dado às 13:43 horas da passada terça-feira. No local estiveram 13 operacionais e cinco viaturas dos bombeiros e GNR.

O DN tentou entrar em contacto com o Arábida Country Retreat, onde a família se encontrava alojada, mas até ao momento não obteve qualquer resposta.

Em atualização

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.