Pedras e tiros. Manifestação em nome do Bairro da Jamaica causa distúrbios na Baixa de Lisboa

Alguns manifestantes arremessaram pedras contra os agentes da polícia, que respondeu com balas de borracha. Quatro pessoas foram detidas, confirmou a PSP

Cerca de uma centena de pessoas, alegadamente moradores no Bairro da Jamaica, no Seixal, Setúbal, manifestaram-se na tarde desta segunda-feira em protesto em frente ao Ministério da Administração Interna (MAI), na Praça do Comércio, em Lisboa, para dizer "basta" à violência policial e "abaixo o racismo".

Às 17.15 horas, os manifestantes desmobilizaram da zona em frente do MAI, na Praça do Comércio, mas continuaram na baixa lisboeta, tendo-se registado vários incidentes, com a polícia a fazer disparos com balas de borracha para o ar, na zona da rotunda do Marquês de Pombal e na Avenida da Liberdade, para dispersar os manifestantes porque alguns indivíduos atiraram algumas pedras a agentes policiais e até a viaturas civis. Durante essas ações quatro manifestantes foram detidos.

Uma das detenções foi filmada pelo realizador João Salaviza:

Após os incidentes terem acalmado a PSP garantiu, em declarações à imprensa, que os disparos com balas de borracha foram feitos "para o ar", em resposta ao arremesso de pedras por parte dos manifestantes.

Porta-voz da PSP afirmou que quando a polícia "procurou conduzir os manifestantes de forma a libertar uma das vias da Avenida da Liberdade para permitir a circulação dos carros" estes começaram a arremessar pedras contra os agentes que "tiveram de intervir".

A mesma fonte afirmou que alguns polícias sofreram "ferimentos leves".

Já os manifestantes têm uma versão diferente. Testemunha ouvida pelo DN afirma que antes do arremesso de pedras se ouviram tiros.

Manifestação frente ao MAI

Durante a tarde, os supostos moradores do Bairro da Jamaica usaram em frente ao MAI alguns símbolos, como uma bandeira de Cabo Verde e cartazes a dizer "antirracismo social", os manifestantes gritaram palavras de ordem como "Não ao racismo", "não à mortalidade policial" e "chega".

Entre os gritos de protesto destacou-se um símbolo de "união" contra o racismo, em que duas pessoas com cor de pele diferente desfilaram de mãos dadas. A controlar a ação de protesto estavam cerca de duas dezenas de polícias, nomeadamente elementos da Unidade Especial da PSP.

A manifestação foi convocada através de redes sociais como o Facebook, pelo movimento Consciência Negra.

A participar no protesto, que mobilizou sobretudo jovens, Mónica Rocha, que vive no bairro da Quinta da Princesa, no Seixal, disse à Lusa que decidiu deslocar-se até Lisboa "em solidariedade" para com os moradores do Bairro da Jamaica, considerando que "a polícia não agiu como deve ser".

"Talvez com este movimento se consiga mudar a opinião de quem acha que somos diferentes pelo tom de pele e que esta sociedade perceba que somos todos iguais e devemos ter todos os mesmos direitos", avançou a jovem, ressalvando que a manifestação deve ser pacífica, uma vez que "não se pretende agir com violência, nem fazer mal a ninguém".

A coordenar o protesto com um altifalante e a impedir ações violentas por parte dos manifestantes, Jublay Castro contou à Lusa que assistiu ao que aconteceu no Bairro da Jamaica e que "a polícia chegou logo com a força da agressividade".

Nas redes sociais, são partilhados vídeos dos momentos de tensão:

De acordo com o jovem Jublay Castro, o protesto era para continuar pelas ruas de Lisboa, em direção ao Rossio, com as mesmas palavras de ordem: "Não ao racismo".

No domingo de manhã, a polícia foi alertada para "uma desordem entre duas mulheres" no Bairro da Jamaica, tendo sido deslocada para o local uma equipa de intervenção rápida da PSP de Setúbal.

Segundo a PSP, um grupo de homens reagiu à intervenção dos agentes da polícia quando estes chegaram ao local, atirando pedras.

No incidente ficaram feridos, sem gravidade, cinco civis e um agente da PSP que foram assistidos no Hospital Garcia de Orta, em Almada.

A PSP abriu um inquérito para "averiguação interna" sobre a "intervenção policial e todas as circunstâncias que a rodearam", ocorrida hoje de manhã no bairro da Jamaica, concelho do Seixal, da qual resultaram, além dos feridos, um detido.

Pelo seu lado, a associação SOS Racismo anunciou que vai apresentar uma queixa ao Ministério Público na sequência destes acontecimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.