Governo e CP ofereceram passes semanais a quase sete mil alunos

Iniciativa Comboio do Conhecimento, destinada a promover "experiências de conhecimento do território" a estudantes do superior que passaram para o 2.º ano, já conta com mais de 10 mil candidaturas

A Direção Geral do Ensino Superior (DGES) recebeu "mais de 10 mil pedidos de vouchers", dos quais "já foram aprovados 6957", para o Comboio do Conhecimento, uma iniciativa do governo que permite aos estudantes que concluíram com sucesso o 1.º ano do ensino superior (cursos TeSP, licenciaturas e mestrados integrados) viajarem gratuitamente durante sete dias consecutivos nos serviços urbano, regional, inter-regional e intercidades da CP.

Em comunicado, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior explica que o programa, que tem por lema: "Não fiques apeado - dá crédito aos teus estudos e vem conhecer Portugal", "visa estimular a aquisição de competências e de formação superior, aliada ao sucesso académico, e promover experiências de conhecimento do território".

Para terem acesso a estes vouchers, que podem ser utilizados até ao final de 2018, os alunos precisam de ter concluído pelo menos 36 ECTS (créditos académicos) no ano letivo que terminou. Os pedidos podem ser feitos através da página www.comboio-conhecimento.pt, existindo ainda uma aplicação, o Globestamp, onde é possível ter acesso a roteiros, planear viagens e partilhar experiências.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.