Ministério da Agricultura avalia estragos do mau tempo em Vila Pouca de Aguiar

Poucos minutos de chuva intensa, acompanhada de granizo, provocaram inundações momentâneas em algumas artérias do centro de Vila Pouca de Aguiar e estragos em a nível da agricultura

O Ministério da Agricultura informou estar a fazer a avaliação dos estragos causados pela queda intensa de chuva e de granizo que esta tarde atingiu o concelho de Vila Pouca de Aguiar, no distrito de Vila Real.

Segundo referiu, em comunicado, os serviços estão focados na identificação de prejuízos materiais relacionados com situações que possam dar origem à necessidade de restabelecimento do potencial produtivo, nomeadamente infraestruturas de apoio à atividade agrícola e equipamentos.

Isto porque, no que diz respeito às culturas, a queda de chuvas intensas e de granizo constituem um risco coberto pelo sistema de seguros agrícolas, subsidiado pelo Estado em 60%.

Esta tarde, poucos minutos de chuva intensa, acompanhada de granizo, provocaram inundações momentâneas em algumas artérias do centro de Vila Pouca de Aguiar e estragos em a nível da agricultura.

Duarte Marques, responsável pela proteção civil de Vila Pouca de Aguiar, referiu que o mau tempo provocou inundações em vias do centro da vila, o arrastamento de um veículo e alguns estragos a nível de pavimentos, condutas e passeios.

O mau tempo afetou também algumas aldeias limítrofes da sede do concelho onde, segundo o responsável, os estragos estão mais relacionados com a queda de granizo que afetou produções agrícolas, a nível de hortícolas, arvores de fruto e também alguma vinha.

Os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Castelo Branco e Coimbra estão sob aviso amarelo devido à previsão de aguaceiros, por vezes fortes, podendo ser de granizo e acompanhados de trovoada e rajadas de vento, em especial nas zonas montanhosas.

O aviso amarelo entrou em vigor às 12:00 e termina às 21:00 de hoje.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.