Ministério da Agricultura avalia estragos do mau tempo em Vila Pouca de Aguiar

Poucos minutos de chuva intensa, acompanhada de granizo, provocaram inundações momentâneas em algumas artérias do centro de Vila Pouca de Aguiar e estragos em a nível da agricultura

O Ministério da Agricultura informou estar a fazer a avaliação dos estragos causados pela queda intensa de chuva e de granizo que esta tarde atingiu o concelho de Vila Pouca de Aguiar, no distrito de Vila Real.

Segundo referiu, em comunicado, os serviços estão focados na identificação de prejuízos materiais relacionados com situações que possam dar origem à necessidade de restabelecimento do potencial produtivo, nomeadamente infraestruturas de apoio à atividade agrícola e equipamentos.

Isto porque, no que diz respeito às culturas, a queda de chuvas intensas e de granizo constituem um risco coberto pelo sistema de seguros agrícolas, subsidiado pelo Estado em 60%.

Esta tarde, poucos minutos de chuva intensa, acompanhada de granizo, provocaram inundações momentâneas em algumas artérias do centro de Vila Pouca de Aguiar e estragos em a nível da agricultura.

Duarte Marques, responsável pela proteção civil de Vila Pouca de Aguiar, referiu que o mau tempo provocou inundações em vias do centro da vila, o arrastamento de um veículo e alguns estragos a nível de pavimentos, condutas e passeios.

O mau tempo afetou também algumas aldeias limítrofes da sede do concelho onde, segundo o responsável, os estragos estão mais relacionados com a queda de granizo que afetou produções agrícolas, a nível de hortícolas, arvores de fruto e também alguma vinha.

Os distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Castelo Branco e Coimbra estão sob aviso amarelo devido à previsão de aguaceiros, por vezes fortes, podendo ser de granizo e acompanhados de trovoada e rajadas de vento, em especial nas zonas montanhosas.

O aviso amarelo entrou em vigor às 12:00 e termina às 21:00 de hoje.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.