Médicos e enfermeira acusados de homicídio negligente de homem operado no Porto

Processo remonta a 2010. Homem de 32 anos morreu poucas horas depois de ser operado. Ministério Público diz que os arguidos falharam a prudência devida

O Ministério Público (MP) acusou de homicídio por negligência três médicos e uma enfermeira na sequência da morte de um homem de 32 anos, escassas horas após ser operado numa unidade de saúde do Porto.

O processo remete para 2010, quando um otorrinolaringologista de Barcelos diagnosticou problemas crónicos de amígdalas e uma tumefação da tiroide ao paciente, sugerindo que fosse observado por um cirurgião que exercia na Ordem de São Francisco, no Porto.

Dessa observação resultou a sugestão, aceite pelo homem, de que fosse sujeito a uma amigdalectomia e uma tiroidectomia totais com um único ato anestésico.

A intervenção cirúrgica ocorreu entre as 17:45 e as 21:15 de 08 de outubro de 2010, aparentemente sem problemas, que viriam a surgir e a multiplicar-se até provocarem a morte do paciente às 06:35 da madrugada seguinte.

Na acusação, o MP sublinha riscos acrescidos das duas cirurgias no mesmo tempo anestésico, para concluir que se impunha uma monitorização permanente do paciente muito para além do período em que ocorreu (até ao princípio da madrugada).

O MP acusa mesmo os arguidos de falharem a prudência devida, numa postura que diz ser de "clara" incúria.

A mãe da vítima reclama uma indemnização global próxima dos 130 mil euros.

O início do julgamento esteve marcado para a tarde de hoje no Juízo Local Criminal do Porto, mas o tribunal decidiu reagendar a sessão para 02 de outubro.

Nessa altura, adiantou hoje a juíza, o tribunal deverá conhecer um relatório pedido ao Instituto de Medicina Legal sobre este caso e vai ouvir um perito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.