Há feridos ligeiros e dezenas de desalojados no distrito de Coimbra

A passagem do furacão Leslie pelo distrito de Coimbra provocou alguns feridos ligeiros e dezenas de desalojados, informou hoje à agência Lusa o comandante operacional distrital.

Segundo Carlos Luís Tavares, a passagem do furacão Leslie provocou mais estragos nos concelhos do Centro Litoral do distrito, nomeadamente na Figueira da Foz, Montemor-o-Velho, Coimbra, Soure e Condeixa-a-Nova.

Foi nesses concelhos que se registaram "dezenas de desalojados", devido à tempestade que causou "uma destruição muito grande em telhados de habitações", acrescentou.

Carlos Luís Tavares refere que os dados ainda são provisórios, visto que ainda há "uma noite intensa de reconhecimento a determinadas zonas" a que as autoridades ainda não conseguiram ter acesso, face às quedas de árvores e estruturas nas estradas.

Os feridos ligeiros registados até agora devem-se a ferimentos relacionados com quedas de árvores, acidentes com carros, telhas que se soltaram e outros objetos que voaram "e apanharam populares", explicou.

O nível de destruição, frisou, é grande, registando-se muitas quedas de árvores, algumas arrancadas pela raiz pela força do vento, bem como andaimes e placas de sinalização.

Segundo o comandante operacional distrital, ainda há algumas estradas cortadas no distrito de Coimbra.

Entre a Mealhada e Coimbra, a agência Lusa constatou várias árvores tombadas para a estrada e o trânsito a circular condicionado e com supressão de uma das vias, em dois pontos da estrada nacional 1.

Contactado pela agência Lusa, o Comando Territorial da GNR de Coimbra remeteu para mais tarde informações sobre as estradas cortadas devido ao mau tempo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Líderes

A União Europeia e a crise dos três M. May, Macron e Merkel

Já lhe chamam a crise dos três M. May, Macron e Merkel, líderes das três grandes potências da UE, estão em apuros. E dos grandes. Numa altura em que, a poucos meses das eleições para o Parlamento Europeu, florescem populismos e nacionalismos de toda a espécie, pela Europa e não só, a primeira-ministra do Reino Unido, o presidente de França e a chanceler da Alemanha enfrentam crises internas que enfraquecem a sua liderança e, por arrastamento, o processo de integração da UE.