Marcelo pede "programa de emergência" para a crise na comunicação social

Para o Presidente da República, a "comunicação social em crise é democracia em crise"

O Presidente da República pediu esta quarta-feira aos decisores políticos "um programa de emergência" para responder à crise na comunicação social, remetendo para as medidas fiscais, entre outras, que as associações do setor têm proposto anualmente.

Numa conferência sobre "Democracia e Liberdade de Imprensa", organizada pela revista Sábado, num hotel de Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa voltou a alertar que "comunicação social em crise é democracia em crise" e defendeu que "é necessário um programa de emergência".

"Todos os anos, pelo debate do Orçamento do Estado, surgem propostas nomeadamente em matéria tributária, mas não só, que se aproximam daquilo que de melhor há noutros países insuspeitos do mundo, democracias há muito consolidadas. E nesse apelo vai a chamada de atenção aos legisladores para que se debrucem sobre o problema", referiu.

Ando há três anos a pregar quase no deserto

Segundo o chefe de Estado, é possível estabelecer "esquemas gerais e abstratos que permitam equacionar vias ao menos para este período transitório de crise mais aguda" e há que passar à ação.

"Ando há três anos, não direi a pregar no deserto, mas a pregar quase no deserto, porque todos concordam com o diagnóstico da situação", lamentou.

Apelo aos decisores políticos

À saída desta conferência, realizada por ocasião do 15.º aniversário da revista Sábado, Marcelo Rebelo de Sousa esclareceu que o seu apelo se dirige "a todos, aos responsáveis políticos, aos responsáveis patronais, aos responsáveis sindicais, aos próprios profissionais da comunicação social".

"Mas muito aos decisores políticos, bem entendido", frisou.

Questionado sobre quais as medidas que deveriam constar do referido "programa de emergência", o Presidente da República respondeu: "Eu não tenho de pensar em medidas, até porque as associações do setor já várias vezes falaram nisso".

"As associações do setor, todos os orçamentos do Estado, apresentam um conjunto de medidas, algumas fiscais, outras de formação, outras de incentivo à leitura, outras pensando sobretudo nos órgãos daqueles Portugais desconhecidos, nomeadamente do interior, com mais dificuldade, outras pensando na imprensa regional e local", repetiu, considerando que "há uma variedade grande de ideias e de projetos".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).