Marcelo faz o pleno: depois da TVI e da SIC é a vez da RTP

Presidente gravou uma mensagem para o programa Agora Nós, que será transmitido esta quarta-feira na RTP1, sobre Roberto Leal.

O presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, gravou uma mensagem de cerca de um minuto sobre o cantor brasileiro Roberto Leal, que será transmitida esta tarde no programa Agora Nós, da RTP1.

Depois da entrevista a Manuel Luís Goucha antes do Natal para o programa Você na TV da TVI e do telefonema em direto para Cristina Ferreira, na estreia do seu novo programa matinal na SIC, o presidente faz o pleno das estações televisivas.

A informação foi avançada pelo Expresso e confirmada pelo DN junto da assessoria da presidência.

O cantor Roberto Leal revelou que tem um cancro e tem sido alvo de várias homenagens, estando prevista a sua presença no programa de Tânia Ribas de Oliveira e de José Pedro Vasconcelos desta tarde.

Em declarações à agência Lusa, Marcelo Rebelo de Sousa rejeitou estar a tomar partido na concorrência entre os programas de entretenimento da TVI e da SIC quando falou com Cristina Ferreira, lembrando precisamente a entrevista de 25 minutos que dera a Goucha.

"Eu tenho uma relação de amizade com ela, já dei a primeira entrevista na revista dela. Não indo ao programa nem tendo entrevista com ela, era o mínimo desejar-lhe boa sorte. É o mínimo de equilíbrio", defendeu o chefe de Estado, justificando ter feito "de improviso" um telefonema em direto para o programa de Cristina para "desejar boa sorte".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.