Marcelo diz que clima pré-eleitoral começou "muito cedo"

Presidente diz que, ultrapassada a pressão da crise, entrou-se em período eleitoral "que se prolongará praticamente por todo o ano de 2019"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse hoje que no último trimestre, ultrapassada a pressão da crise, cresceu a sensação de "corrida contra o tempo", que antecipou o período pré-eleitoral.

"Entre nós, ultrapassada a pressão mais instante da crise e, como temor antecipado de ambientes externos mais complicados, com eventuais reflexos internos, o último trimestre de 2018 fez avultar a sensação de corrida contra o tempo, em busca de metas antes do período eleitoral que se prolongará praticamente por todo o ano de 2019", escreve Marcelo, numa mensagem de Natal publicada hoje no Jornal de Notícias.

Segundo o Presidente, os últimos meses foram de debate coletivo, envolvendo a elaboração do Orçamento para 2019 e "o próprio clima pré-eleitoral, muito cedo esboçado".

"No fundo, neste Natal, estamos apenas a cinco meses da primeira de várias eleições importantes para o nosso horizonte até 2023-2024", disse.

Marcelo Rebelo de Sousa diz que, ao mesmo tempo, há setores sociais aliviados por reajustamentos pessoais e funcionais e outros que esperaram mais, ou esperam mais, para compensar adiamentos do passado.

E - continua Marcelo Rebelo de Sousa -, "melhorando embora a expressão dos que se encontram condenados à pobreza ou seu risco, continua a existir um quinto dos portugueses em tais situações, e desigualdades agravadas pela crise resistem em tantos casos".

É por isso, na opinião de Marcelo, um Natal "menos pesado", mas feito de "sentimentos mistos".

"Alívio para uns, luta por expectativas acalentadas para outros, preocupação para todos com o que vai chegando de fora de antevisões dos tempos que se avizinham", escreve o Chefe de Estado.

"Que esses sentimentos mistos não nos façam perder nem a coesão nacional nem a esperança, nem a proverbial sabedoria que nos leva a saber separar o essencial do que o não é -- é o meu voto de Natal", afirma.

Ler mais

Exclusivos