Marcelo debate "Futuro da Europa" com Grupo de Arraiolos na Letónia na próxima semana

No encontro de 13 e 14 de setembro também será discutido o tema da "Resiliência Social"

O Presidente da República vai debater o "Futuro da Europa" com o Grupo de Arraiolos, constituído por chefes de Estado não executivos da União Europeia, na próxima semana, em Rundale e em Riga, na Letónia.

Segundo uma nota divulgada esta quarta-feira no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa vai deslocar-se à Letónia a convite do seu homólogo letão, Raimonds Vejonis, para participar nesta 14ª reunião do Grupo de Arraiolos, que decorrerá nos dias 13 e 14 de setembro.

Nas sessões de trabalho deste encontro, divididas entre o Palácio Rundale e o Castelo de Riga, serão debatidos os temas da "Resiliência social" e do "Futuro da Europa", refere a mesma nota, que descreve o Grupo de Arraiolos como "um importante fórum de diálogo e cooperação entre chefes de Estado europeus".

Este grupo reuniu-se pela primeira vez na vila alentejana de Arraiolos, em 2003, por iniciativa do então Presidente da República de Portugal, Jorge Sampaio, que procurou juntar um conjunto de chefes de Estado com poderes semelhantes aos seus para discutir o futuro da União Europeia.

Desde então, realizaram-se treze encontros, que têm tido periodicidade anual, o último dos quais em Malta, em setembro do ano passado, centrado no tema das migrações, que contou com a presença de treze chefes de Estado, de Malta, Áustria, Bulgária, Croácia, Eslovénia, Estónia, Alemanha, Grécia, Hungria, Itália, Letónia, Polónia e Portugal.

O encontro de setembro de 2016, o primeiro em que participou o atual Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decorreu em Sófia, na Bulgária, com oito chefes de Estado, da Finlândia, Hungria, Bulgária, Malta, Itália, Letónia, Polónia e de Portugal.

Ler mais

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...