Manifestantes antitourada ficaram longe da arena

Protesto em Albufeira foi vigiado pela GNR

A manifestação antitourada que esta sexta-feira à noite se realizou em Albufeira, durante a corrida RTP que se realizou na praça de touros daquela cidade algarvia, decorreu de forma pacífica e acompanhada de perto pela GNR.

Os manifestantes mantiveram-se longe do recinto, na via pública, gritando palavras de ordem como "Basta de sadismo".

Isabel Searle, líder do grupo CIdade de Albufeira antitourada, avançou ainda com uma ideia: "Queremos um referendo, para ficar a saber quem vota a favor deste sadismo", afirmou, citada pelo jornal Público.

A iniciativa desta sexta-feira foi particularmente vigiada pela GNR, pois é a primeira do género após os incidentes que ocorreram, na semana passada, na mesma praça de touros, quando três ativistas saltaram para a arena. Detidos pela GNR, acabaram por ser agredidos enquanto estavam sob custódia policial, tal como o DN noticiou.

A ação das forças de segurança durante este caso está atualmente a ser investigado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP).

Albufeira capital do toiro

De acordo com os dados da temporada tauromáquica de 2017, divulgados pela Protoiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia, a cidade com mais espetáculos realizados em 2017 foi Albufeira, com 27 espetáculos, representando uma subida de 22,7% em relação aos 22 de 2016.

A cidade algarvia ficou à frente de Lisboa, com 14 espetáculos, e de Vila Franca de Xira, com 11.

Em relação à percentagem média de ocupação das praças em Corridas de Toiros por região, o ano de 2017 ficou marcado por um crescimento exponencial a nível nacional e em particular no Algarve.

Esta zona teve o maior crescimento nacional na média de ocupação das praças em corridas de toiros de 40,4% em relação ao ano anterior, sendo a segunda região com maior percentagem média de ocupação, 73%. O Alentejo lidera, com uma percentagem média de ocupação de 74%.

A Protoiro, em comunicado, considera que estes números demonstram a importância cultural da tauromaquia na região e o potencial económico e turístico, quer para os visitantes estrangeiros quer para os turistas nacionais.

"Estes são indicadores muito positivos e que apontam para uma retoma do crescimento de assistência aos espetáculos tauromáquicos", lê-se na nota enviada à imprensa pela Protoiro. Com Fernanda Câncio

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."