Manifestantes antitourada ficaram longe da arena

Protesto em Albufeira foi vigiado pela GNR

A manifestação antitourada que esta sexta-feira à noite se realizou em Albufeira, durante a corrida RTP que se realizou na praça de touros daquela cidade algarvia, decorreu de forma pacífica e acompanhada de perto pela GNR.

Os manifestantes mantiveram-se longe do recinto, na via pública, gritando palavras de ordem como "Basta de sadismo".

Isabel Searle, líder do grupo CIdade de Albufeira antitourada, avançou ainda com uma ideia: "Queremos um referendo, para ficar a saber quem vota a favor deste sadismo", afirmou, citada pelo jornal Público.

A iniciativa desta sexta-feira foi particularmente vigiada pela GNR, pois é a primeira do género após os incidentes que ocorreram, na semana passada, na mesma praça de touros, quando três ativistas saltaram para a arena. Detidos pela GNR, acabaram por ser agredidos enquanto estavam sob custódia policial, tal como o DN noticiou.

A ação das forças de segurança durante este caso está atualmente a ser investigado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP).

Albufeira capital do toiro

De acordo com os dados da temporada tauromáquica de 2017, divulgados pela Protoiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia, a cidade com mais espetáculos realizados em 2017 foi Albufeira, com 27 espetáculos, representando uma subida de 22,7% em relação aos 22 de 2016.

A cidade algarvia ficou à frente de Lisboa, com 14 espetáculos, e de Vila Franca de Xira, com 11.

Em relação à percentagem média de ocupação das praças em Corridas de Toiros por região, o ano de 2017 ficou marcado por um crescimento exponencial a nível nacional e em particular no Algarve.

Esta zona teve o maior crescimento nacional na média de ocupação das praças em corridas de toiros de 40,4% em relação ao ano anterior, sendo a segunda região com maior percentagem média de ocupação, 73%. O Alentejo lidera, com uma percentagem média de ocupação de 74%.

A Protoiro, em comunicado, considera que estes números demonstram a importância cultural da tauromaquia na região e o potencial económico e turístico, quer para os visitantes estrangeiros quer para os turistas nacionais.

"Estes são indicadores muito positivos e que apontam para uma retoma do crescimento de assistência aos espetáculos tauromáquicos", lê-se na nota enviada à imprensa pela Protoiro. Com Fernanda Câncio

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.