Mais de 5.600 pedem ação do governo contra Museu de Salazar

Petição foi colocada na internet há menos de três dias. Nomes como o da escritora Maria Teresa Horta ou do antigo líder sindical Carvalho da Silva fazem parte dos subscritores do documento.

Mais de 5.600 pessoas já assinaram uma petição pública pela intervenção do Governo socialista para impedir a instalação de um museu sobre a antiga ditadura do Estado Novo e seu líder, Salazar, em Santa Comba Dão, Viseu.

O documento digital foi colocado na Internet há dois dias e meio e tem como subscritores o antigo líder sindical Carvalho da Silva, o analista político Pedro Adão e Silva, a escritora Maria Teresa Horta, o antigo reitor da Universidade de Lisboa José Barata Moura ou o cantor de intervenção Francisco Fanhais, entre outros.

O texto "Museu de Salazar, não!" apoia uma carta aberta dirigida ao primeiro-ministro, António Costa, em 12 de agosto, na qual 204 ex-presos políticos exigiam ação ao executivo do PS, além de expressar "o mais veemente repúdio" pela iniciativa anunciada pelo autarca local.

Segundo a petição, o projeto de Santa Comba Dão, "longe de visar esclarecer a população e sobretudo as jovens gerações", seria "um instrumento ao serviço do branqueamento do regime fascista (1926 - 1974) e um centro de romagem para os saudosistas do regime derrubado com o 25 de Abril".