Feridos no incêndio da Celtejo já tiveram alta. Quase 100 bombeiros combatem fogo

Incêndio na zona de armazenamento de madeiras, serradura e estilhas da fábrica em Vila Velha de Ródão. Três bombeiros ficaram com ferimentos ligeiros

Um incêndio deflagrou nesta tarde na zona de armazenamento de madeiras, serradura e estilhas no recinto da fábrica da Celtejo, em Vila Velha de Ródão. Às 19.25, estavam no local 97 operacionais, com o apoio de 41 viaturas e um meio aéreo (chegaram a estar um pouco mais de 100 homens e dois meios), disse ao DN fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Castelo Branco.

Segundo a mesma fonte, três bombeiros de Vila Velha de Ródão ficaram com ferimentos ligeiros. Um dos bombeiros sofreu ferimentos sem gravidade na sequência de uma queda enquanto os outros dois tiveram de ser assistidos por inalação de fumos, adiantou à agência Lusa a referida fonte.

Os três bombeiros foram transportados para o Hospital Amato Lusitano, em Castelo Branco, depois de assistidos no local, mas já tiveram alta médica.

Embora constituam algum risco para as instalações fabris, as chamas "estão confinadas ao parque de estilha de madeira", instalado ao ar livre, no perímetro da unidade fabril, que funciona há décadas naquela vila do distrito de Castelo Branco, junto ao rio Tejo.

De acordo com o CDOS, o incêndio vai demorar a ser extinto "devido ao tipo e à quantidade do material" nos armazéns que estão a ser consumidos pelas chamas.

Até ao momento desconhece-se o que terá provocado o fogo no parque da Celtejo, cujo alerta foi dado às 13.59.

Os meios mobilizados para o local são oriundos de diversas corporações de bombeiros, designadamente de Castelo Branco, Covilhã, Idanha-a-Nova, Oleiros, Proença-a-Nova e Sertã, além de Vila Velha de Ródão.

A Beira Baixa TV registou imagens do incêndio.

com Lusa
[notícia atualizado às 19.25 com a informação sobre os feridos]

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.