Louva-a-deus raro e protegido encontrado em Serpa

O louva-a-deus-dos-olhos-pontiagudos (Apteromantis aptera), foi detetado durante uma sessão de educação ambiental, em junho, com alunos da Escola Secundária de Serpa, no Alentejo, organizada por aquela entidade (Tagis) e pelo Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, cE3c.

Investigadores encontraram um louva-a-deus, característico da Península Ibérica, raro e protegido por lei, numa herdade em Serpa, a ser preparada para ter um olival superintensivo, anunciou esta segubnda-feira o Centro de Conservação das Borboletas de Portugal.

Este louva-a-deus "é ameaçado pela redução dos ecossistemas tipicamente mediterrânicos", salientam os investigadores, insistindo que a adoção do modo de produção intensivo "põe em risco a sobrevivência desta espécie prioritária para a conservação da biodiversidade europeia".

Por isso, devido à "presença desta espécie protegida na Herdade do Peixoto", endémica da Península Ibérica, os cientistas do Tagis defendem ser "urgente aplicar medidas de conservação" para a manutenção dos efetivos populacionais.

Esta espécie "invulgar", que não tem asas, ao contrário da maioria dos outros louva-a-deus, é protegida pela diretiva comunitária Habitats e está na Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN na sigla em inglês).

Detetado durante sessão de educação ambiental

O louva-a-deus-dos-olhos-pontiagudos (Apteromantis aptera), foi detetado durante uma sessão de educação ambiental, que decorreu numa noite de junho, com alunos da Escola Secundária de Serpa, no Alentejo, organizada por aquela entidade (Tagis) e pelo Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais, cE3c.

Naquela atividade, foram vistas mais de 50 espécies de insetos, mas "a grande surpresa foi, no entanto, encontrar esta espécie rara num local onde a vegetação tinha sido recentemente arrasada e a terra totalmente revolvida", descreve o Tagis.

Os investigadores temem que, com a plantação das oliveiras e o início da produção de azeitonas, "e devido ao modo de produção superintensivo (habitualmente com 900 a 2000 árvores por hectare), esta e outras espécies não resistam à destruição dos seus habitats naturais e à quantidade de pesticidas habitualmente aplicados nestas explorações agrícolas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.