Limpeza de terrenos evita incêndio maior em Matosinhos

Fogo próximo de habitações e da fábrica de conservas Ramirez foi controlado devido à limpeza dos terrenos anexos às casas feito pelos proprietários e pelo município, revelou o vereador José Pedro Rodrigues.

O incêndio que surgiu perto de habitações e da fábrica de conservas Ramirez na freguesia de Lavra, naquele concelho do distrito do Porto, não obrigou à retirada das pessoas das suas habitações nem à interrupção laboral naquela unidade fabril, segundo o vereador da Proteção Civil da Câmara de Matosinhos.

O incêndio junto "às habitações e da fábrica Ramirez está controlado, houve um reacendimento a norte, na Rua das Cavadas, e é essa a razão por que os bombeiros continuam no terreno", disse.

"A zona mais perto das casas e da fábrica já está em rescaldo", acrescentou José Pedro Rodrigues, salientando os cuidados havidos em encaminhar as pessoas "para a rua por precaução" e não por "haver perigo iminente".

Explicando que a zona mais próxima das casas "corresponde a terrenos em que a fiscalização municipal notificou proprietários e procedeu a limpezas", salientou a importância dessa ação preventiva, afirmando que "foram cruciais não só para que o trabalho dos bombeiros pudesse ter um resultado mais eficaz, mas também para proteger estas habituações da propagação do incêndio".

"Esta limpeza foi determinante para evitar que o incêndio gerasse danos para as habitações", enfatizou o vereador.

Falando aos jornalistas cerca das 17:00, o responsável municipal garantiu que a "situação no momento "não inspira grandes preocupações", mantendo-se a presença dos bombeiros no local dado que o "vento continua muito intenso" e que "irão continuar atentos a reacendimentos".

No terreno estiveram, segundo José Pedro Rodrigues, corporações de Matosinhos/Leça, Leça do Balio, São Mamede de Infesta, Pedrouços e dos Bombeiros Portuenses estiveram no terreno com diferentes meios de combate.

Ler mais

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O legado de Joana Marques Vidal

Os últimos meses foram marcados pelo tema da (não) recondução da procuradora-geral da República, desde que a ministra da Justiça avançou há nove meses com a ideia de que a interpretação que fazia do texto constitucional é que se tratava de um longo e único mandato. Além da lamentável extemporaneidade destas declarações, a tantos meses do término do mandato ficou muito claro desde início que a questão subjacente à recondução de Joana Marques Vidal era de natureza política e não de carácter jurídico.

Premium

António Araújo

Ex-votos

No Estio de 1736, em dia que se ignora, saiu em sua mulinha o beneficiado Manuel Antunes, natural de Barbacena. No caminho das Portas da Esquina para a Horta dos Passarinhos havia uma ladeira pedregosa e íngreme, onde se lhe espantou a mula, por razões desconhecidas. Uma e outra vez caiu ao chão o clérigo, ficando muito ferido, e em muita aflição. Naquele aperto, suplicou aos céus, salvou-se. Em cumprimento da promessa feita, mandou reparar a tosca cruz que por lá havia, campos da Torre das Arcas. O lugar rapidamente ganhou fama de milagreiro. Fez-se então a romaria que ainda hoje perdura. E ergueu-se a ermida que tem o nome de Igreja do Senhor Jesus da Piedade de Elvas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Saúde e sustentabilidade democrática 

Penso que não há ninguém que refute que uma das características indissociáveis de toda e qualquer sociedade democrática é a sua capacidade de debater, de uma forma que se quer construtiva e evolutiva, também sobre si mesma e os seus índices de desenvolvimento. Na nossa perspetiva ocidental e europeia, o conceito de democracia parece já enraizado por todos e em todos, ao ponto da quase estagnação. Mas será aconselhável estarmos, enquanto país ou até como membro integrante da união política e económica, tão descansados assim?

Premium

Adriano Moreira

A ambiguidade da política

Além do sentido académico da palavra, designando o pensamento político, "teorias políticas", "filosofia política", "ciência política", tal sentido afasta-se do exercício dos que a praticam, tendo em vista o poder de governar. Dão-se exemplos como o de Lord Butler, que a definiu como "arte do possível", cinicamente como D'Israeli, que a definiu como a arte de governar os cidadãos desiludindo-os, ou, finalmente, e cobrindo intenções menos tranquilizantes, entendendo-a com Hitler, como a arte de mobilizar uma nação para defender a sua existência. Em todo o caso, o mais corrente, entre estadistas responsáveis, é entender a política como a arte de conciliar interesses opostos.