Libertado com pulseira eletrónica depois de dar socos e pontapés a grávida

A PSP deteve um homem por agressão à companheira grávida. Presente ao juiz, este libertou-o. PGR esclarece que está com pulseira eletrónica, proibido de contactar a vítima e que vai sujeitar-se a tratamentos das dependências de álcool e droga

Um homem foi detido esta terça-feira por um agente da Unidade Especial da Polícia (UEP), que estava de folga e o levou à esquadra de Alverca. Foi detido pelo crime de violência doméstica - na rua, agredia com socos e pontapés a barriga da companheira, grávida.

Presente esta quarta-feira ao juiz do Tribunal Judicial de Vila Franca de Xira, saiu com a proibição de contactar a vítima.

Contactada pelo Diário de Notícias, a PGR esclarece, em comunicado, que existem "fortes indícios" de que o "arguido, de sexo masculino, é suspeito de no dia 4 de dezembro, em plena via pública, ter desferido murros e pontapés na sua mulher que se encontra grávida de 37 semanas".

Acrescenta que o juiz decretou como medidas de coação, a "proibição de contactar por qualquer meio com a ofendida". Proibição que será fiscalizada por pulseira eletrónica. É, ainda, sujeito "a tratamento das dependências de álcool e de substâncias estupefacientes de que padece, por ser verificar em concreto perigo de continuação da atividade criminosa".

A situação foi comunicada à Comissão de Proteção de Crianças e Jovens.

A vítima das agressões, quase no final da gravidez, foi transportada para o Hospital de Vila Franca de Xira, "com lesões graves". A unidade hospitalar não adianta informações sobre a situação da doente.

A investigação prossegue a cargo da 11ª secção do DIAP da comarca de Lisboa Norte, núcleo de Vila Franca de Xira, com a coadjuvação da PSP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.