Jovem português desaparecido na Bélgica

Miguel Amorim de Lemos, 21 anos, foi visto pela última vez na Universidade Livre de Bruxelas, na quinta-feira

Um jovem português de 21 anos, Miguel Amorim Lemos, está desaparecido na Bélgica desde quinta-feira, quando foi visto pela última vez, na Universidade Livre de Bruxelas, onde estuda, localizada na Avenida Franklin Rosevelt.

Segundo a polícia belga, Miguel recebeu um telefonema no seu telemóvel às 11.00 desse dia e desde então que o seu paradeiro é desconhecido.

As autoridades daquele país descrevem-no como tendo 1,97 metros e cabelo e olhos castanhos. Na altura do desaparecimento, vestia calças de ganga, uma camisola verde e um casaco e uma mochila castanhos.

De acordo com as autoridades daquele país, o jovem lusodescendente costuma frequentar a zona da floresta de Soignes e de Rouge-Cloître e reside na região de Valónia, a mais de 40 quilómetros de Bruxelas.

Segundo o JN, os colegas dele vão organizar este domingo uma concentração para o procurar na floresta de Soignes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.