Jovem de 20 anos morre atropelado em Mora. Condutor fugiu

Um jovem de 20 anos morreu esta madrugada de sábado vítima de atropelamento com fuga numa avenida da vila alentejana de Mora, no distrito de Évora, disseram fontes dos bombeiros e da GNR à agência Lusa.

O atropelamento mortal ocorreu na avenida do Fluviário e o alerta às autoridades foi dado às 05:37, precisou fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Évora.

Segundo fonte do Comando Territorial de Évora da GNR, trata-se de um atropelamento com fuga e, por isso e para já, desconhecem-se as circunstâncias do acidente e não se sabe quem atropelou o jovem e com que veículo.

O corpo da vítima foi transportado para o Gabinete Médico-Legal e Forense do Alentejo Central, situado no hospital de Évora, e o caso está a ser investigado pelo Núcleo de Investigação Criminal de Acidentes de Viação da GNR.

As operações de socorro envolveram operacionais e viaturas dos Bombeiros Voluntários de Mora e da GNR, a Ambulância de Suporte Imediato de Vida de Ponte de Sor e a Viatura Médica de Emergência e Reanimação de Évora, indicou a fonte do CDOS.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.