Jornadas da Juventude já têm lugar escolhido: do Parque Tejo à Bobadela

Papa fará anúncio do país acolhedor no próximo domingo. E é no Parque Tejo e na Bobadela, junto ao rio Trancão, às portas de Lisboa, que as autoridades portuguesas querem receber o encontro onde é esperado um milhão de jovens.

É às portas de Lisboa que milhares e milhares de jovens receberão o Papa na Jornada Mundial da Juventude que será anunciada por Francisco para a capital portuguesa em 2022. Depois de várias hipóteses colocadas na mesa, como o Campo de Tiro de Alcochete ou as bases do Montijo e da Ota, as autoridades religiosas e políticas já definiram um local: será no Parque Tejo, no Parque das Nações, prolongando-se para Norte, e na Bobadela, ali ao lado, apurou o DN.

Apesar das cautelas entre a Igreja portuguesa, de uma eventual escolha alternativa de Estocolmo para a realização do encontro de 2022, as autoridades já foram ao terreno verificar as condições logísticas. Pela zona norte do Parque das Nações já passaram o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, o vereador do Urbanismo, Manuel Salgado, e o próprio Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O anúncio do local para o encontro de 2022 será feito oficialmente no Panamá, no encerramento da XXXII Jornada Mundial da Juventude, que esta terça-feira tem início na Cidade do Panamá.

A comitiva portuguesa que se desloca aquele país da América Central denuncia o que está em causa: o Presidente da República e o cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, serão acompanhados do presidente da autarquia lisboeta, que é também o presidente da Área Metropolitana de Lisboa, Fernando Medina - e que fontes ouvidas garantiram estar muito empenhado na escolha da capital - e do pároco do Parque das Nações, Paulo Franco.

Quer Marcelo quer Clemente adotaram o discurso cauteloso de quem diz ter "esperança" de poder trazer a próxima edição destas jornadas para Lisboa, porque assim determina a diplomacia do Vaticano: é ao Papa que cabe o anúncio formal. Mas há meses que a preparação avança - e entre os aspetos logísticos está a escolha do local, que poderá acolher cerca de um milhão de jovens.

A opção pelo Parque das Nações e Bobadela obrigará à construção de pontes pedonais para vencer o obstáculo natural que divide o espaço previsto para as jornadas, que é a foz do rio Trancão, e à remoção dos contentores existentes na Bobadela, entre a EN10 e a A30/IC2.

As jornadas acontecem durante vários dias: no Panamá, por exemplo, realizam-se desta terça-feira até domingo. Os jovens inscritos, sempre em número inferior ao que depois participa nos dois últimos dias no acolhimento ao papa, são distribuídos por milhares de alojamentos diferentes.

É esta logística a que também responderá a organização portuguesa, que será coordenada pelo presidente da administração da Rádio Renascença, Américo Aguiar: arranjar alojamentos para acolher milhares de jovens - em 2016, quando o encontro teve lugar na Europa, em Cracóvia, Polónia, estavam inscritos oficialmente cerca de 360 mil jovens para a semana de atividades e no fim de semana, para a vigília e a missa, o número disparou para cima do milhão e meio de jovens.

Nesses dias, havia 37 mil espaços para acampar. Em 2011, em Madrid, havia 7000 espaços de alojamento, incluindo em Portugal, para os dias anteriores ao fim de semana em que o bispo de Roma participa na Jornada Mundial da Juventude.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.