Jogo ilegal online. Detidas 20 pessoas e apreendidos 49 carros e 320 mil euros

Operação Shadow Game envolveu buscas em Portugal e no Luxemburgo. Foram desligados servidores de internet que estavam colocados neste país. GNR aprendeu ainda 340 computadores e tablets e dez armas de fogo

Um ano de investigação da Unidade de Ação Fiscal da GNR resultou na detenção de 20 pessoas, 19 em Portugal e uma no Luxemburgo, por suspeitas de envolvimento na exploração ilícita de jogo, de apostas online e de apostas desportivas à cota de base territorial.

De acordo com as informações recolhidas pelo DN a exploração ilegal deste tipo de apostas estava a cargo de um grupo com cerca de 100 pessoas que, pelo menos desde 2015 mantinha esta atividade em Portugal, Luxemburgo - onde estavam os servidores utilizados pelo grupo -, Suíça, França, Bélgica, Brasil e Moçambique.

A operação que se iniciou na manhã de terça-feira (dia 6) e que ainda decorre nesta quarta-feira envolveu 677 militares da GNR dos comandos territoriais de Aveiro, Évora, Braga, Faro, Coimbra, Leiria, Guarda, Açores, Porto, Lisboa, Viana do Castelo, Viseu e Vila Real e da Unidade de Intervenção da Guarda, adiantou a GNR em comunicado.

Dos detidos - os elementos do topo da organização -, 19 vão ser presentes ao juiz de instrução criminal de Setúbal e um será presente ao juiz de instrução criminal do Luxemburgo, segundo a Procuradoria distrital de Setúbal.

Todos estão indiciados, entre outros, pelos crimes de associação criminosa, fraude fiscal e exploração ilícita de jogos

No primeiro dia da operação foram realizadas em Portugal 146 buscas domiciliárias e não domiciliárias que visaram os responsáveis pela conceção, distribuição e exploração das plataformas do jogo online.

O objetivo passou por atingir os responsáveis pela conceção dos sites, distribuidores do jogo ilegal e quem o explorava.

O DN sabe que os militares efetuaram buscas em habitações, armazéns, escritórios de advogados entre outros locais.

Também no Luxemburgo foram realizadas buscas, neste caso seis a casas. Além de uma detenção e da apreensão de 114 máquinas de jogo.

No primeiro dia da operação foram apreendidos 320 mil euros, 49 carros de média e alta gama, 339 computadores/tablets, 428 periféricos, 4 servidores e dez armas de fogo e munições.

A parte internacional desta operação - as buscas e a detenção - foi realizada sob a coordenação da Europol e da Eurojust. Tendo a GNR sido acompanhada nas ações em território nacional por elementos da Autoridade Aduaneira, do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos.

Comprar login no café

Esta operação da Guarda Nacional Republicana teve como objetivo colocar fim a uma prática que envolve a possibilidade de apostar em eventos desportivos em sites idênticos aos legalizados pelo Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos mas que são explorados de forma ilegal.

Nestes casos, o jogador compra um login à pessoa que administra a plataforma - por norma são proprietários de estabelecimentos comerciais, como cafés - e fica com a possibilidade de aceder ao site e fazer vários tipos de apostas: resultado final do jogo, golos ao intervalo etc.

Para conseguir a conta - à qual pode aceder no computador fixo, portátil, num tablet ou smartphone -, o cliente paga entre 10 e 30 euros, verba que depois fica como crédito para as apostas.

Caso acerte na aposta, o jogador dirige-se ao administrador e recebe o dinheiro a que tem direito.

Estas plataformas ilegais por norma usam servidores colocados fora de Portugal, como era o caso do grupo agora desmantelado pela GNR que tinha o servidor instalado no Luxemburgo.

No entanto, na maior parte das vezes essa estrutura até está sedeada em países asiáticos onde a legislação referente ao jogo é diferente da nacional.

De acordo com informações prestadas recentemente ao DN pela Unidade de Ação Fiscal da GNR - a unidade que atua nesta área relacionada com fraudes fiscais - são os jovens quem mais aposta neste tipo de sites online preferindo os apostadores mais velhos as máquinas que são instaladas nos cafés - como as slot machines.

Este negócio das apostas pela internet em plataformas não autorizadas - em Portugal há 15 casas autorizadas a operar, sendo que sete das licenças são para explorar as apostas desportivas à cota e as restantes para os jogos de fortuna e azar - é uma das preocupações das autoridades fiscais pois este é um negócio que não paga impostos.

35 milhões de receita bruta

A provar a importância deste negócio estão as operações efetuadas pela GNR entre 2016 e 2017 em que desmantelou três organizações que, em conjunto, conseguiram obter 35 milhões de euros de receita bruta.

Só uma, num ano, teve 17 milhões de euros de rendimento a partir da exploração do jogo ilícito.

A disponibilização deste tipo de jogo ilegal está espalhada por todo o país bastando existir uma ligação à internet para ser viável.

E há exemplos que mostram a rentabilidade do mesmo. "Numa aldeia no Alentejo havia uma máquina que conseguia dois mil euros por dia. Agora, a grande maioria existe nos grandes centros urbanos, de norte a sul, sendo os lucros muito difíceis de projetar", explicou recentemente ao DN fonte da Unidade de Ação Fiscal da GNR.

Estas organizações são muito profissionais - podem até explorar empresas com atividades legais, como uma que foi desmantelada pela GNR e operava em Santarém, Lisboa, Évora e Algarve e que tinha como negócio legítimo fornecer matraquilhos e jogos de setas para cafés - e prestam todo o apoio aos seus distribuidores. "Até lhes garantem proteção jurídica. Dizem aos donos das casas que se lhes apreenderem as máquinas, ou um computador, eles colocam outro."

A questão jurídica é, aliás, um dos temas mais complexos que envolve o combate ao jogo ilegal. Na grande maioria dos casos, as pessoas que são presentes a tribunal acabam por pagar uma multa pouco expressiva para os valores envolvidos neste negócio. "O lucro é muito grande e as coimas pequenas. Por vezes rondam os 500/600 euros", acrescentou a fonte do DN.

Apostas de milhões de euros por dia

Esta oferta de jogos ilegais online aproveita a apetência que os portugueses têm pelas apostas.

Segundo dados publicados pelo DN a 13 de setembro, nos primeiros meses do ano foram investidos mais de 1 500 milhões de euros nas várias ofertas disponibilizadas pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e mais mil milhões nos sites legais.

Ou seja, no primeiro semestre foram gastos diariamente mais de 14 milhões de euros nas várias categorias de jogos legais existentes no país. Assim, cada português, em média apostou 1,4 euros/dia.

A Raspadinha é a preferida no que diz respeito aos jogos sociais da SCML num panorama em que os dados fornecidos ao DN confirmaram que nunca se gastou tanto dinheiro em apostas como no primeiro semestre deste ano.

Segundo a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa adiantou em setembro, entre janeiro e junho foram investidos 1571 milhões de euros no jogo, o valor mais alto desde 2013 - nesse ano foram 890 milhões.

No período homólogo do ano passado foram apostados 1487 milhões de euros.

Os três jogos da responsabilidade da SCML de eleição para os portugueses são a Raspadinha (806 milhões de euros); Euromilhões (363 milhões, mas do pódio é o único a descer nas preferências dos apostadores) e Placard (268 milhões).

Os números referentes aos primeiros seis meses do ano mostram uma tendência bastante diferente da que estava a acontecer desde 2013: na primeira metade de 2018, o desinteresse das pessoas só recaiu em três jogos - além do já referido Euromilhões, o Totobola e o M1lhão.

Todas as outras ofertas da SCML subiram no valor de apostas, interrompendo a tendência decrescente que vinham a registar-se nos períodos homólogos.

Com a curiosidade de a Lotaria Clássica ter passado de um valor de cerca de 15 milhões no ano passado para 20 milhões entre janeiro e junho.

Em sentido contrário surgem o Totobola (perde cerca de 1,2 milhões de euros) e o Euromilhões (perto de dois milhões a menos).

Como o Placard, no sistema de entrega das apostas nos mediadores, mantém uma trajetória ascendente desde o seu lançamento, a 9 de setembro de 2015 - neste primeiro semestre foram apostados 268 milhões de euros que comparam com os 256 milhões do período homologo -, a leitura que se pode fazer é que há uma transferência do interesse dos apostadores para este jogo.

Apostas online também a subir

O gosto nacional pelas apostas fica também visível no relatório sobre a "Atividade do jogo online em Portugal", da responsabilidade do Serviço de Regulação e Inspeção de Jogos.

Segundo os dados referentes ao primeiro semestre do ano, o volume das apostas desportivas à cota foi de 190 milhões de euros, valor que dispara quando se refere aos jogos de fortuna e azar: 909 milhões de euros.

Estes valores foram registados pelas oito entidades que estão autorizadas a explorar jogos e apostas online em Portugal, havendo 13 licenças distribuídas: seis para apostas desportivas à cota e sete para jogos de fortuna ou azar.

No caso das apostas desportivas, o documento releva o facto de, em comparação com os primeiros seis meses do ano passado, existirem agora mais três licenças.

Quanto às modalidades preferidas dos apostadores, o futebol lidera com muito vantagem (74,4%), seguindo-se o ténis (14,2%) e o basquetebol (7,2%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.