Jihadista português Steve Duarte: "Foi um erro. Mereço ir para a prisão"

Detido na Síria, Steve Duarte, 32 anos, diz numa entrevista a uma televisão curda que pretende regressar ao Luxemburgo, país onde residia com a família. Aceita ser preso. Era um dos homens fortes da propaganda do ISIS.

O português Steve Duarte Amieiro, originário de uma família da Figueira da Foz que reside no Luxemburgo, diz que pretende regressar àquele país, cumprir castigo e retomar a vida normal. "Mereço ir para a prisão. E depois regressar à minha vida, cuidar dos meus dois filhos", afirmou numa entrevista difundida pela Rudaw TV, uma estação televisão do Curdistão iraquiano.

Em nenhum momento da conversa refere Portugal, assumindo sempre o Luxemburgo como o seu país. É ali que vive a mãe e para onde pretende regressar com a sua mulher, uma francesa de origem argelina com quem se casou na Síria. O casal tem dois filhos, de dois e três anos. Steve não sabe onde estão os seus familiares.

Duarte foi para a Síria em 2014 e foi descrito, por um outro jihadista belga, como um dos responsáveis pela propaganda do Estado Islâmico. Há um vídeo em que o luso-luxermbuguês surge, aparentemente, a executar um refém. Era conhecido em Raqqa, bastião do ISIS, como Abu Muhajir Al-Andalusi. Está atualmente detido pelas curdas Forças Democráticas da Síria, numa prisão cuja localização se mantém secreta.

Na entrevista, Steve Duarte diz que pretendia estudar religião, após se ter convertido ao Islão em 2010. Contactou um homem pelo Facebook, com quem estabeleceu confiança e ganhou os contactos para a viagem do Luxemburgo para a Síria, via Turquia. Em território sírio, casou com uma francesa de origem argelina. Hoje, não sabe do paradeiro dela nem dos dois filhos.

O português, que é procurado pelas autoridades luxemburguesas, diz que o ISIS não corresponde à ideia que tem da religião. Afirma que não aceitou lutar e por isso foi colocado na propaganda. "Estive dois meses a trabalhar nos media até ter problemas com o Emir", afirmou. Manteve contactos, via internet, com a mãe residente no Luxemburgo.

Steve Duarte diz que pretende regressar àquele país do centro da Europa, nunca colocando a hipótese de Portugal. "Agora quero ir para o Luxemburgo. Sei que devo ir para a prisão. Cometi um erro e estou pronto para ir para a prisão", diz o homem de 32 anos, que afirma querer mostrar aos filhos "o que é o bem e o mal" e retomar "uma vida normal, a trabalhar, a mostrar aos meus filhos como a vida é na realidade".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.