Inspeção-geral da Administração Interna nega acusação de ser tolerante ao racismo

A inspetora-geral da Inspeção-geral da Administração Interna (IGAI) nega que o organismo que dirige seja tolerante ao racismo ediz que o relatório da ECRI é injusto porque não é objetivo.

Em declarações à agência Lusa, Margarida Blasco disse repudiar as acusações da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância (ECRI), classificando como "manifestamente infundada" a insinuação de que a IGAI é tolerante com práticas racistas.

"A IGAI propugna a tolerância zero para a prática de qualquer abuso ou qualquer discriminação com base em qualquer fator", garantiu a responsável.

A reação da inspetora-geral da IGAI surge depois de serem conhecidas as críticas e recomendações que a ECRI faz a Portugal no âmbito do seu trabalho de análise e controlo da realidade de cada Estado-membro em matéria de racismo e intolerância.

A ECRI acusa a hierarquia da PSP e a Inspeção-geral da Administração Interna de serem tolerantes ao racismo, e pede que a polícia pare de relativizar a violência contra negros e ciganos. O relatório dá particular destaque ao caso da esquadra de Alfragide, que remonta a 2015, e do qual resultou a acusação de 18 pessoas por alegados abusos e maus tratos a seis moradores do bairro da Cova da Moura, na Amadora.

No entanto, Margarida Blasco diz que o que vem descrito começa por incorrer num erro, já que a ECRI afirma que, apesar de os factos terem ocorrido em fevereiro, a IGAI só atuou em julho, algo que a responsável máxima da IGAI diz não ser verdade. "Os factos ocorreram em 5 de fevereiro de 2015 e imediatamente a IGAI abriu um inquérito. Desse inquérito, em julho, foram abertos nove processos disciplinares, que correram os seus termos e em que sete foram arquivados por falta de prova e em dois foram propostas sanções disciplinares", apontou.

Por outro lado, lembrou que o caso ainda está em fase de julgamento e que até haver uma decisão e que ela transite em julgado, há a presunção de inocência.

Para a responsável, o relatório da ECRI faz acusações "manifestamente infundadas" e diz com toda a convicção que a polícia portuguesa não é racista, apesar de admitir que "não se pode tomar um caso ou outro pelo todo". "Temos uma malha muito fina que nos permite dizer que não entendemos que quer a PSP, GNR ou SEF tenham conduta predominantemente xenófoba e racista", garantiu.

Defendeu que "o relatório é injusto porque não é objetivo" e sublinhou que a IGAI é intransigente na aplicação de sanções disciplinares em todos os casos que "possam expressar alguma má conduta e transparecer alguma questão que tenha a ver com racismo ou xenofobia".

Para demonstrar como as acusações da ECRI são injustas, Margarida Blasco lembrou que quando o Comité Europeu para a Prevenção da Tortura (CPT) - outro organismo do Conselho da Europa - visitou Portugal, em 2016, salientou os aspetos positivos da atuação da IGAI, nomeadamente no que diz respeito aos factos ocorridos no bairro da Cova da Moura. "Há aqui erros grosseiros no relatório da ECRI e que contrastam com o relatório da CPT, que analisou também os relatórios relativos ao caso de Alfragide", apontou, criticando a ECRI por ter ignorado esses factos.

Relativamente à recomendação da ECRI de criação de um mecanismo independente que investigue todas as alegações de abuso e comportamentos racistas por parte da polícia, Margarida Blasco discorda e contrapõe com as recomendações do CPT. "O Comité da Tortura do Conselho da Europa formulou recomendações, mas no sentido do reforço dos poderes da IGAI e das suas competências. Não se compreende agora a sugestão do ECRI no sentida da criação de uma entidade independente porque essa entidade já existe e é a IGAI", defendeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.