Carros de combate a fogos com defeito? "Estão operacionais", diz o governo

O secretário de Estado da Proteção Civil garante que os veículos de combate a incêndios rurais "estão operacionais" e sem problemas que coloquem em perigo os militares do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR

"Os veículos estão operacionais e estão no terreno (...) e, portanto, estão a funcionar em pleno. Os contratos que foram estabelecidos entre o Estado através da entidade de contratação pública e os cadernos de encargos elaborados pela GNR, naturalmente que foram cumpridos no contrato que foi estabelecido", disse hoje o secretário de Estado da Proteção Civil.

José Artur Neves falava aos jornalistas na fronteira de Vilar Formoso, Almeida, no distrito da Guarda, à margem de uma campanha de sensibilização dos emigrantes para a segurança rodoviária e para a campanha Aldeia Segura e Pessoas Seguras.

O governante reagia assim à notícia publicada hoje pelo jornal Expresso, segundo a qual dezenas das novas viaturas ligeiras ao serviço do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro (GIPS) da GNR estão com anomalias, impedindo-as de serem usadas no combate aos fogos, uma vez que o problema nas motobombas leva a que a água lançada pela mangueira dificulte a extinção do incêndio e expõe os militares a mais perigos.

"Se há um pormenor ou outro que não esteja em condições, naturalmente que é assumido pela entidade contratada. Não temos dúvida nenhuma quanto a isso. Contudo, importa esclarecer: todos os veículos estão operacionais, nenhum está inoperacional"

Segundo o secretário de Estado da Proteção Civil, os novos veículos "estão no terreno distribuídos pelos 40 Centros de Meios Aéreos e distribuídos pelas equipas de ataque ampliado que estão sediadas, nomeadamente em Mirandela, em Aveiro, em Viseu e em Loulé".

E estas equipas que receberam agora os primeiros veículos para ataque ampliado "vão receber na próxima semana mais dez veículos", anunciou.

"E, com isso, fica todo o dispositivo dotado dos equipamentos que tínhamos planeado, inclusive com os equipamentos de proteção individual", rematou.

José Artur Neves disse ainda que "todos os operacionais estão no terreno com os veículos necessários para combater os incêndios" e que sobre o assunto não há "nenhuma dúvida".

O secretário de Estado da Proteção Civil deu hoje as boas vindas aos emigrantes que entram em Portugal pela fronteira de Vilar Formoso e sensibilizou-os para a campanha Aldeia Segura e Pessoas Seguras.

O governante participou hoje de manhã, naquela fronteira, na campanha de segurança rodoviária "Sécur'Eté 2018: Verão em Portugal", promovida pela associação de jovens lusodescendentes Cap Magellan e destinada aos emigrantes que regressam a Portugal pelos principais eixos rodoviários na fronteira com Espanha.

Além da sensibilização rodoviária, a iniciativa tem também como objetivo a sensibilização dos emigrantes para a campanha Aldeia Segura e Pessoas Seguras que resultou de um protocolo assinado entre a Autoridade Nacional de Proteção Civil, a Associação Nacional de Municípios Portugueses e a Associação Nacional de Freguesias.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.