Segurança Social disponibiliza linhas de apoio às populações afetadas

São quatro números que podem ser utilizados por quem foi afetado pelos fogos em Monchique, Portimão, Silves e Odemira

A Segurança Social disponibiliza, a partir desta terça-feira, quatro linhas telefónicas específicas para apoiar as populações afetadas pelo incêndio de Monchique.

"Na sequência do incêndio que deflagrou em Monchique, no passado dia 03 de agosto, e do acompanhamento social prestado às populações afetadas, a Segurança Social disponibiliza a partir de hoje linhas telefónicas específicas de apoio, para informação genérica e encaminhamento/agendamento de atendimento", afirma o instituto em comunicado.

Para os moradores residentes no concelho de Monchique está disponível o número 300 518 518 e para os de Odemira o número 300 512 950.

Quem residir no concelho de Portimão tem à disposição a linha telefónica 300 515 290, enquanto para os moradores no concelho de Silves está disponível o número 300 516 050.

Este serviço telefónico está disponível nos dias úteis, entre as entre as 09:00 e as 17:00, informa o Instituto da Segurança Social (ISS).

O incêndio rural de Monchique (distrito de Faro, Algarve), combatido por mais de mil operacionais e considerado dominado na sexta-feira (dia 10) de manhã, atingiu também o concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja).

Quarenta e uma pessoas ficaram feridas, uma das quais com gravidade (uma idosa que se mantém internada em Lisboa).

Segundo o município de Monchique, arderam cerca de 16.700 hectares no concelho.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.