Quatro concelhos em risco máximo de incêndio devido ao calor

Os concelhos de Alcoutim, Tavira e Castro Marim e o município de Marvão, em Portalegre, estão hoje em risco máximo de incêndio, numa altura em que está prevista uma subida acentuada da temperatura.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), além destes quatro concelhos em risco máximo, outros 55 municípios dos distritos de Faro, Beja, Santarém, Portalegre, Castelo Branco, Guarda, Viseu, Braga, Vila Real e Bragança estarão em risco muito elevado, o segundo mais grave.

Em risco elevado de incêndio estão ainda cerca de 90 municípios em Bragança, Vila Real, Braga, Aveiro, Porto, Coimbra, Castelo Branco, Santarém, Lisboa, Portalegre, Évora, Beja e Faro.

Face à onda de calor prevista para os próximos dias, que pode ter "máximos históricos", a Proteção Civil estendeu o estado de alerta especial relativo aos meios de combate a incêndio aos distritos do Porto, Leiria, Aveiro, Braga, Viana do Castelo e Coimbra.

O estado de alerta especial do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro, que define a "prontidão e mobilização das estruturas, forças e unidades de proteção e socorro em conformidade com os riscos associados", já vigorava nos distritos do interior do país, que passaram, a partir das 00:00 de terça-feira para alerta laranja, o terceiro mais grave.

A Proteção Civil justifica os procedimentos com o agravamento do risco de incêndios florestais devido à previsão do aumento da temperatura e da redução da humidade no ar.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), as temperaturas vão estar acima dos valores médios e isto pode ter impacto em termos de saúde pública e de propagação de incêndios.

A onda de calor que vai atingir o país nos próximos dias, com quinta-feira a ser o dia mais quente, fará com que se possam registar nalguns locais "máximos históricos" de temperatura.

Para hoje, o IPMA prevê temperaturas máximas a chegarem já aos 41 graus Celsius em Évora e aos 40 graus em Castelo Branco e Beja, enquanto as mínimas ainda baixam até aos 13 graus em Viana do Castelo.

A situação de muito calor deve prolongar-se por pelo menos quatro dias, sendo que as noites serão "tropicais", já que as temperaturas mínimas não vão baixar muito e deverão rondar os 30º.

Poeiras no ar

São ainda esperadas poeiras no ar, vindas do norte de África, em particular no sul do país, uma situação que, segundo a Direção-Geral da Saúde, deve levar a população a tomar medidas de proteção, como manter-se em ambientes frescos, procurar manter frescas as habitações e beber muita água, evitando o álcool.

Na condução, as autoridades alertam para o facto de os veículos expostos ao sol aquecerem muito e pedem também especial atenção às pessoas mais vulneráveis, como crianças, idosos, pessoas com doenças crónicas, grávidas e pessoas em locais isolados.

A Marinha e o Exército vão reforçar, com mais 19 patrulhas e 76 militares, o apoio à Proteção Civil entre quarta-feira e domingo devido à onda de calor, podendo as ações serem prolongadas caso a meteorologia o justifique.

Este ano, o dispositivo de combate a fogos florestais engloba 56 meios aéreos (incluindo um na Madeira), cerca de 11 mil operacionais e mais de três mil meios terrestres (nomeadamente viaturas), enumerou Patrícia Gaspar.

Os dois aviões que estiveram nos incêndios da Suécia chegam na quinta-feira a Portugal, adiantou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."