PSD quer saber quanto pagou o Estado por 33% do SIRESP

Na quarta-feira a Altice Portugal anunciou que exerceu o direito de preferência na compra das participações da Esegur e Datacomp no sistema

O PSD exigiu esta quinta-feira saber quanto pagou o Estado por 33% do capital social do SIRESP e se existe um acordo entre os acionistas que dê "garantias e privilégios" na nomeação do presidente e nas opções estratégicas.

Numa pergunta ao ministro da Administração Interna, os sociais-democratas querem igualmente saber por que motivo o Governo não conseguiu que o Estado ficasse maioritário na empresa que gere o Sistema Integrado das Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), tendo apenas 33%.

As falhas no SIRESP estiveram no centro da polémica desde os incêndios de junho e outubro de 2017, em que morreram mais 100 pessoas, o que levou o executivo a anunciar que o Estado iria "assumir 54% do capital da SIRESP".

Na pergunta enviada a Eduardo Cabrita, assinada pelo líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, e cinco outros deputados, é também pedido que o executivo explique por que tal não aconteceu e se existe "um acordo escrito" com os acionistas que dê "garantias e privilégios ao Estado, através do Governo, na nomeação do presidente" e em questões de investimentos e opções estratégicas.

Na quarta-feira, a Altice Portugal anunciou que exerceu o direito de preferência na compra das participações da Esegur e Datacomp no SIRESP, passando a deter 52,1%.

O Estado vai assumir a posição de acionista da Galilei, passando a deter 33% do capital social do SIRESP, de acordo com um comunicado conjunto dos Ministérios das Finanças e da Administração Interna.

O resultado desta operação financeira "espelha incapacidade e falhanço da política governamental anunciada ou, então, uma cedência aos interesses da Altice cujos contornos têm de ser conhecidos e devidamente escrutinados", lê-se no texto.

Para o PSD, "mais importante do que a posse do capital do SIRESP ser público ou privado, é garantir que o sistema funciona e corresponde às necessidades das entidades que zelam pela segurança dos portugueses".

No texto, os sociais-democratas recordam que, em agosto do ano passado, após os incêndios de junho em Pedrógão Grande (Leiria), o executivo "fez saber" que iriam ser aplicadas multas à empresa por incumprimento do contrato com o Estado tendo em conta "as constantes falhas da rede de emergência" durante o combate aos fogos.

Agora, o PSD pretende saber se foram ou não aplicadas as multas em 2017 e 2018, num texto em que recorda que há três anos o Governo recebeu um relatório que apontava falhas ao sistema que não foram corrigidas.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.