Incêndios: Proteção Civil prolonga alerta vermelho até quarta-feira

A decisão de prolongar o alerta deveu-se ao aumento do número de ocorrências de fogos

A Autoridade Nacional de Proteção Civil anunciou esta segunda-feira que vai prolongar o alerta vermelho em sete distritos do país até quarta-feira devido ao aumento do número de ocorrências que se tem registado.

O alerta vermelho, o mais grave da escala, foi ativado no sábado nos distritos de Braga, Bragança, Guarda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu.

Fonte da Proteção Civil explicou que a decisão de prolongar o alerta -- que estava inicialmente definido até esta segunda-feira-- se deveu ao aumento do número de ocorrências de fogos, tendo-se registado 73 na sexta-feira, 113 no domingo e já se contabilizando 75 esta segunda-feira.

A decisão de prolongar o alerta foi tomada "apesar de poder haver um desagravamento meteorológico", sendo antes baseada no aumento das ocorrências, afirmou a mesma fonte.

Neste momento, o incêndio mais preocupante situa-se em Alvarenga, no concelho de Arouca (Aveiro), onde se encontram 79 operacionais e 18 veículos de apoio.

Cerca de 60 concelhos de 13 distritos de Portugal continental apresentam esta segunda-feira risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.