Proteção Civil preocupada com intensidade do vento prevista para quarta-feira

A Proteção Civil sublinhou a necessidade de manter o estado de alerta especial vermelho em sete distritos do país (Braga, Bragança, Guarda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu), pelo menos até às 23.49 de quarta-feira, e não exclui a possibilidade de o vir a prolongar ou a alargar a outros distritos.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil informou hoje que vai manter, pelo menos até ao final de quarta-feira, o alerta vermelho em sete distritos do país e alertou para a intensidade do vento que se vai fazer sentir.

Num balanço feito nesta tarde aos jornalistas na sede da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), em Carnaxide, o adjunto nacional de Operações, Sérgio Gomes, manifestou-se preocupado com a "intensificação do vento" prevista para o dia de quarta-feira.

"É para nós mais preocupante aquilo que se perspetiva no dia de amanhã [quarta-feira], a intensificação do vento, do que propriamente a temperatura", afirmou o responsável da ANPC, referindo-se ao facto de estar prevista uma baixa de temperaturas.

Sérgio Gomes ressalvou a necessidade de manter o estado de alerta especial vermelho em sete distritos do país (Braga, Bragança, Guarda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu), pelo menos até às 23.49 de quarta-feira, não excluindo a possibilidade de o vir a prolongar ou a alargar a outros distritos.

Até às 17.00 desta terça-feira tinham sido registadas 70 ocorrências, das quais 19 tinham ocorrido em período noturno.

"Durante a manhã (de quarta-feira) iremos reunir-nos com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera no sentido de aferir o que se irá passar no que se refere ao estado de alerta especial", apontou.

Até às 17.00 desta terça-feira tinham sido registadas 70 ocorrências, das quais 19 tinham ocorrido em período noturno.

O responsável da ANPC destacou ainda que, apesar de o número de ocorrências ter aumentado, desde sexta-feira "houve uma diminuição na área ardida".

"O ataque inicial de forma musculada tem debelado a grande maioria das ocorrências", justificou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.