Proteção Civil distribui informações sobre riscos a turistas

Informação tinha indicações sobre o aviso de temperaturas extremas registadas nos últimos dias, o risco de incêndio em diversas zonas do país, os cuidados a ter e as proibições restritas à situação

A Autoridade Nacional de Proteção Civil está a distribuir, desde sábado, pelos turistas e pela comunidade de língua inglesa no Algarve, informações sobre o risco de incêndio, disse esta terça-feira o ministro da Administração Interna.

Segundo Eduardo Cabrita, a difusão de informação tem vindo a ser feita desde o início da ocorrência em Monchique, no distrito de Faro, um incêndio que deflagrou na sexta-feira e que já fez 29 feridos ligeiros e um grave.

A informação distribuída aos turistas tinha indicações sobre o aviso de temperaturas extremas registadas nos últimos dias, o risco de incêndio em diversas zonas do país, os cuidados a ter e as proibições adstritas à situação.

Os turistas que se encontravam em locais de risco extremo de incêndio receberam também, no sábado, avisos por SMS.

A mensagem de aviso foi emitida com o remetente "AvisoPROCIV" e incluiu a referência a um número de atendimento da ANPC, através do qual os cidadãos poderiam esclarecer as suas dúvidas.

Este SMS preventivo da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC) para o risco de incêndios para várias zonas do país chegou a mais de sete milhões de pessoas, entre portugueses e estrangeiros, segundo informação da ANPC.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.