Marcelo diz que portugueses "têm direito saber o que se passou" em Pedrógão

O Presidente da República afirmou que os portugueses "têm direito a saber a verdade do que se passou em Pedrógão Grande", escusando-se a comentar "processos isolados", quando questionado sobre a investigação aos incêndios de junho de 2017

"Os processos estão a decorrer. Isso significa que os portugueses têm direito a saber o que se passou, como têm direito a saber o que se passou em termos da reconstrução das habitações na área ardida", disse Marcelo Rebelo de Sousa, em Vila Nova de Cerveira, no Alto Minho.

O Ministério Público culpa a Proteção Civil pelas 66 mortes ocorridas no incêndio de Pedrógão Grande, cujo "combate ao fogo falhou e foi responsável pelo desfecho trágico", noticia hoje o semanário Expresso, avançando que a "acusação está por dias".

O chefe de Estado, que falava aos jornalistas no final da sessão de encerramento do primeiro encontro nacional de cuidadores informais, disse não comentar "processos isolados".

"Nunca o faço antes de haver uma decisão que é notificada às pessoas ou às instituições. É bom que vá até ao fim esta investigação, na parte da investigação criminal, na parte da investigação administrativa, da responsabilidade da Inspeção Geral das Fianças. É fundamental que se retirem as conclusões depois destes processos terem decorrido", disse.

Segundo a notícia hoje avançada, "a acusação está praticamente pronta, e deverá ficar concluída no prazo máximo de duas semanas", só não se sabendo se vão ser imputados aos 18 arguidos do processo 64, 65 ou 66 homicídios por negligência.

As acusações mais graves, de acordo com o Expresso, são dirigidas aos comandantes operacionais do combate ao incêndio de 17 de junho de 2017: Mário Cerol, António Arnaut e Sérgio Gomes.

O incêndio que deflagrou em junho de 2017, em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, e alastrou a concelhos vizinhos, provocou 66 mortos e mais de 250 feridos, sete dos quais graves, e destruiu 50 empresas e meio milhar de casas, 261 das quais habitações permanentes.

Questionado sobre a recondução do Chefe do Estado Maior do Exército, Marcelo Rebelo de Sousa "desdramatizou" o assunto.

"Para o ano que vem, vou ter duas decisões a tomar em matéria de chefias militares, como já tive a do presidente do Tribunal de Contas e como terei, brevemente, a da Procuradoria-Geral da República e já tive, no início do mandato, dos representantes da República nos Açores e na Madeira. Isto para mostrar que não vale a pena dramatizar, faz parte da vida em democracia, o Governo propor e o Presidente da República decidir. Quando o presidente tomar uma decisão, naturalmente, os portugueses saberão".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.