Mais de 100 pessoas retiradas durante a noite em Silves. "As coisas estiveram muito descontroladas"

Segundo a presidente da Câmara Municipal de Silves, Rosa Palma, não existe "conhecimento oficial" de que alguma habitação no concelho tivesse ardido

Mais de 100 pessoas foram retiradas durante a noite de quarta-feira de mais de uma dezena de localidades em Silves e estão a pernoitar num pavilhão da Escola EB 2,3 João de Deus, segundo fonte da autarquia.

De acordo com a presidente da Câmara Municipal de Silves, Rosa Palma, desde as 20:00 de quarta-feira até ao momento "houve uma grande alteração" da situação que se vivia no concelho.

"As coisas estiveram muito descontroladas e com projeções muito fortes e rápidas, devido ao vento e à morfologia do próprio terreno, mas agora, atendendo ao que se viveu há horas (...), as coisas estão bem mais tranquilas", afirmou Rosa Palma.

Relativamente às pessoas deslocadas para o pavilhão da escola em Silves, a autarca esclareceu que são moradores, ou turistas de alojamentos locais, de localidades situadas ao longo da Estrada Nacional 124 (EN124), no concelho de Silves.

"Temos vários tipos de pessoas a pernoitar no pavilhão, desde pessoas que estavam em alojamentos locais a pessoas mais idosas. Temos aqui um acompanhamento específico para as pessoas com mais idade, algumas dessas pessoas têm toma de medicamentos, são pessoas com problemas de saúde e tentamos dar resposta a todas essas necessidades", disse a responsável.

Segundo a presidente da autarquia, até ao momento não existe "conhecimento oficial" de que alguma habitação no concelho tivesse ardido.

De acordo com as autoridades, o trânsito encontra-se cortado na EN124 entre Silves e S. Bartolomeu de Messines desde a noite de quarta-feira.

O presidente da Câmara Municipal de Monchique, Rui André, disse à agência Lusa, cerca das 01:00, que "só há pouco tempo" conseguiram acalmar as "zonas mais quentes" em três localidades do concelho que levantam "alguma preocupação".

"Nas últimas horas evoluiu favoravelmente, mas não fazemos para já um balanço muito otimista, uma vez que até ao momento as previsões correram sempre mal"

"O empenhamento e dedicação dos bombeiros foram fundamentais, apesar das condições muito adversas no terreno. Temos ventos muito fortes, há humidade alta, mas os ventos fortes dificultam o trabalho dos operacionais", afirmou o autarca.

Segundo o responsável, nas últimas horas houve uma "evolução favorável", mas mantém-se o "estado de alerta constante" no terreno.

"Nas últimas horas evoluiu favoravelmente, mas não fazemos para já um balanço muito otimista, uma vez que até ao momento as previsões correram sempre mal. Quando as coisas estavam controladas as mudanças de vento originavam reacendimentos ou progressões em zonas que estavam tranquilas", disse.

A presidente do município de Portimão, Isilda Gomes, confirmou à agência Lusa que, cerca das 01:00, não havia nenhuma frente a lavrar no concelho.

Num 'briefing' realizado em Monchique, no distrito de Faro, cerca das 20:00 de quarta-feira, a 2.ª comandante operacional nacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, afirmava que não era esperada "uma noite fácil", dada a situação complexa em Silves.

O incêndio deflagrou na sexta-feira em Monchique, lavrando também nos concelhos de Portimão e Silves.

Segundo um balanço feito na manhã de quarta-feira e que não foi alterado, há 32 feridos, um dos quais em estado grave (uma idosa internada em Lisboa).

De acordo com o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais, as chamas já consumiram mais de 21.300 hectares. Em 2003, um grande incêndio destruiu cerca de 41 mil hectares nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.

Na terça-feira, ao quinto dia de incêndio, as operações passaram a ter coordenação nacional, na dependência direta do comandante nacional da Proteção Civil, depois de terem estado sob a gestão do comando distrital.

Às 02:10 desta quinta-feira estavam mobilizados para o combate às chamas 1444 operacionais apoiados por 460 meios terrestres, segundo a página da Proteção Civil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.