Mais de 1600 bombeiros combatem 30 incêndios em todo o país

O incêndio de Monchique, que deflagrou cerca das 13:30 desta sexta-feira, na localidade de Perna da Negra, ainda não deu tréguas

Mais de 1.600 operacionais estavam pelas 18:00 envolvidos em 30 incêndios, nove dos quais em curso, segundo informação da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC). Nos locais dos nove incêndios, estavam 1.336 homens, 362 viaturas e 19 meios aéreos.

No distrito de Santarém, a Proteção Civil contabilizava três fogos em curso. Na localidade Prado, cerca de três horas depois do início do incêndio estavam no local 172 homens, 45 viaturas e três aviões.

Pelas 14:20 começou um fogo na Quinta do Briçal, concelho de Rio Maior, que pelas 18:00 era combatido por 154 homens, apoiados por 45 viaturas e três meios aéreos. No concelho de Benavente, em Pancas, estavam no local 122 homens, 38 viaturas e um meio aéreo a lutar contra as chamas, que se iniciaram às 13:08.

Mais a sul, em Monte da Pedra, concelho do Crato, distrito de Portalegre estavam a combater as chamas, iniciadas às 16:29, 106 homens, 26 viaturas e um meio aéreo.

Em curso continua o incêndio de Monchique, que deflagrou cerca das 13:30 de sexta-feira, na localidade de Perna da Negra, tendo obrigado a retirar habitantes do sítio das Taipas e de Foz do Carvalhoso.

Às 18:00, estavam no local 723 homens, l92 viaturas e 11 meios aéreos.

Face à dimensão do incêndio, o Plano Municipal de Emergência de Monchique foi ativado ao início da madrugada de hoje.

Com mais de cem operacionais no local estavam seis incêndios, um dos quais em resolução, que deflagrou pelas 16:04 em Palvarinho, distrito de Castelo Branco e que, pelas 18:00, contabilizava 112 operacionais, 27 viaturas e um meio aéreo.

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou hoje para risco de incêndio muito elevado a máximo no distrito de Faro e em concelhos dos distritos de Castelo Branco, Portalegre, Santarém e Beja.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."