Fogo na Guarda mobiliza mais de 200 operacionais

O incêndio em Benespera foi dado como dominado durante a manhã, mas reacendeu-se obrigando a um reforço de meios

Um total de 212 operacionais, apoiados por 60 viaturas e cinco meios aéreos, estavam envolvidos às 19:30 desta quinta-feira no combate a um incêndio rural na zona de Benespera, no concelho da Guarda, disse a Proteção Civil.

O incêndio em Benespera, que teve início pelas 18:18 de quarta-feira, foi dado como dominado durante a manhã, mas reacendeu-se e obrigou a um reforço de meios, segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) da Guarda.

O fogo "está confinado a uma zona rochosa", onde existe um parque eólico, e "é difícil a inserção de meios" no local

"O incêndio está ativo e deflagra numa zona de difíceis acessos", disse a fonte à Lusa, pelas 16:20.

Acrescentou que o fogo "está confinado a uma zona rochosa", onde existe um parque eólico, e "é difícil a inserção de meios" no local, estando o combate a ser efetuado por elementos apeados.

Segundo o CDOS da Guarda, as chamas que tiveram início em Benespera, no concelho da Guarda, estão a alastrar para os concelhos vizinhos de Sabugal (distrito da Guarda) e Belmonte (distrito de Castelo Branco).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.