Fogo na Guarda com uma frente ativa mobiliza 243 operacionais

"As outras frentes - uma no concelho da Guarda e outra no concelho do Sabugal - encontram-se dominadas", afirmou o Comando Distrital de Operações de Socorro da Guarda. Não há habitações em perigo

Um total de 243 operacionais, apoiados por 71 viaturas, estão envolvidos no combate a um incêndio rural na zona de Benespera, no concelho da Guarda, disse à agência Lusa fonte da proteção civil.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) da Guarda, pelas 22:50, estava ativa "a frente sul [do fogo], que se dirige para [o concelho de] Belmonte".

"As outras frentes - uma no concelho da Guarda e outra no concelho do Sabugal - encontram-se dominadas, com algumas reativações, que são prontamente resolvidas" pelos meios no terreno, indicou.

A fonte do CDOS disse ainda à Lusa que não há habitações em perigo, porque as chamas, que avançam numa zona de difíceis acessos, "estão longe de todas as povoações".

O incêndio, que teve início pelas 18.18 de quarta-feira, foi dado como dominado na manhã desta quinta-feira, mas reacendeu-se e obrigou a um reforço de meios, indicou a fonte.

Durante a tarde, o fogo chegou a ser combatido por oito meios aéreos, que foram entretanto desativados com o cair da noite.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.