Fogo destrói "milhares de colmeias" na serra de Monchique

O incêndio que deflagrou no dia 3 em Monchique destruiu "milhares de colmeias" na serra de Monchique, disse hoje à agência Lusa o presidente da Associação de Apicultores do Barlavento Algarvio (Apilgarbe).

"Milhares de colmeias foram destruídas, sem sombra de dúvida", vincou o presidente da Apilgarbe, Hélder Águas, sublinhando que há dezenas de milhares de colmeias na serra de Monchique, lugar de eleição para a apicultura no barlavento algarvio.

No entanto, os afetados não serão apenas de Monchique e de Silves, mas também apicultores de outros concelhos que tinham apiários na serra, zona propícia para a produção de mel, notou.

"Normalmente, para se defenderem do fogo, corta-se o mato à volta dos apiários e conseguem resistir muitas vezes, mas é preciso que esteja tudo muito limpo para que as chamas não cheguem lá", explicou.

Os apicultores, frisou, "estão completamente desorientados e fortemente prejudicados por isto".

A situação não é inédita e já no passado a apicultura saiu gravemente afetada de outros fogos que passaram pela serra, referiu.

Porém, este ano, face à atuação das autoridades na retirada das pessoas das localidades, "muitos apicultores não conseguiram ir buscar as colmeias e pô-las em sítios seguros".

"O futuro vai ser muito complicado. A apicultura é um trabalho duro e pessoas com 50, 60, 70 anos ainda trabalham nisto, mas a malta nova já pouco liga. Agora que as florestas arderam, as coisas ainda vão ficar mais complicadas", sublinhou Hélder Águas.

O presidente da Associação dos Apicultores do Sotavento Algarvio (Melgarbe), Manuel Francisco Dias, considerou que a sua congénere terá sido fortemente afetada pelo incêndio, ainda para mais "na zona com mais apicultores" e que mais mel produz no Algarve.

"A Melgarbe tem cerca de 60 mil colmeias registadas. Na zona do barlavento serão ainda mais", frisou.

O incêndio rural, combatido por mais de mil operacionais e considerado dominado hoje de manhã, deflagrou no dia 03 à tarde, em Monchique, distrito de Faro, e atingiu também o concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja).

A Proteção Civil atualizou o número de feridos para 41, um dos quais em estado grave (uma idosa que se mantém internada em Lisboa).

De acordo com o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais, as chamas já consumiram cerca de 27 mil hectares. Em 2003, um grande incêndio destruiu cerca de 41 mil hectares nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.

Na terça-feira, ao quinto dia de incêndio, as operações passaram a ter coordenação nacional, na dependência direta do comandante nacional da Proteção Civil, depois de terem estado sob a gestão do comando distrital.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.