Fogo controlado em Portimão, mas teme-se reacendimentos

Algumas pessoas já puderam regressar a casa em localidades como Rasmalho e Montes de Cima, ao contrário dos habitantes de Monchique, que ainda não têm essa autorização

O fogo que deflagrou na sexta-feira em Monchique está controlado no concelho de Portimão desde terça-feira, mas ainda se teme a ocorrência de reacendimentos devido ao vento, disse a presidente da Câmara, Isilda Gomes.

"Desde ontem [terça-feira] que a situação ficou controlada, o grande problema tem a ver com os reacendimentos. De momento não temos fogo ativo e estamos numa fase já de rescaldo e consolidação. Agora, nada nos diz que, de um momento para o outro, não possa haver um reacendimento", afirmou a autarca à agência Lusa, ao final da manhã.

Isilda Gomes disse que ainda há vento e essa "é, sem dúvida, a principal preocupação", mas sublinhou que "de momento, está tudo calmo" no concelho algarvio, um dos três do distrito de Faro afetados pelo incêndio, juntamente com Silves e Monchique, onde se deu a ignição na sexta-feira, pelas 13:30.

A autarca disse que o fogo atingiu principalmente "as áreas da Senhora do Verde e a área do Rasmalho", mas acrescentou que "não é uma área muito grande", entre os mais de 20.000 hectares que já foram consumidos pelas chamas desde sexta-feira em Monchique, Silves, Portimão e Odemira, município do distrito de Beja onde o fogo chegou a estar ativo no fim de semana, mas foi controlado.

Relativamente a desalojados, Isilda Gomes disse que já foi possível a algumas pessoas regressar a casa, nomeadamente as de Rasmalho e Montes de Cima, mas frisou que "as de Monchique ainda não têm autorização para voltar" e continuam no Portimão Arena, pavilhão que serviu de centro de acolhimento aos desalojados.

"Esta noite dormiram cerca de 100 pessoas, acabaram por ser menos do que aquilo que inicialmente nós tínhamos previsto, porque saíram as do Rasmalho e acabaram por ficar menos, mas ainda lá dormiram cerca de 100 pessoas", quantificou.

A autarca disse que, nas próximas horas, vai-se "fazer rescaldo e consolidar" a operação com apoio de máquinas de rasto no terreno para abrir faixas, embora o município já tivesse "feito um trabalho muito intenso nessa matéria" antes do período crítico de incêndios.

Relativamente aos prejuízos causados pelo fogo, Isilda Gomes respondeu que "em Portimão não houve danos nas habitações".

Segundo um balanço feito hoje de manhã, há 32 feridos, um dos quais em estado grave (uma idosa internada em Lisboa), e 181 pessoas mantêm-se deslocadas, depois da evacuação de várias localidades.

De acordo com o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais, as chamas já consumiram mais de 21.300 hectares. Em 2003, um grande incêndio destruiu cerca de 41 mil hectares nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.

Na terça-feira, ao quinto dia de incêndio, as operações passaram a ter coordenação nacional, na dependência direta do comandante nacional da Proteção Civil, depois de terem estado sob a gestão do comando distrital.

Às 12:50, segundo a página da Proteção Civil na Internet, estavam no terreno 1.445 operacionais, com apoio de 448 meios terrestres e 14 meios aéreos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.