Dois fogos em Castelo Branco já mobilizam 181 bombeiros e nove meios aéreos

Incêndios deflagraram ao início da tarde em Palvarinho e em Cafede, em Castelo Branco

Um incêndio deflagrou esta quinta-feira junto à localidade de Palvarinho, em Castelo Branco, e estava às 16:30 a ser combatido por uma centena de operacionais e seis meios aéreos, informa a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

O alerta para o incêndio, que lavra numa zona de mato, deu-se às 14:58.

Segundo o Comando Distrital de Operações e Socorro (CDOS) de Castelo Branco, poderão ser necessários mais meios.

Envolvidos no combate às chamas estão 181 operacionais, apoiados por 55 viaturas e seis meios aéreos.

Já em Cafede, também em Castelo Branco, deflagrou outro incêndio, esta quinta-feira, numa zona de mato.

O alerta foi dado às 15:24 e, às 16:30, estavam no local a combater as chamas 60 operacionais, apoiados por 12 viaturas e três meios aéreos.

Às 18:40h, de acordo com a página da Proteção Civil, 67 operacionais, apoiados por um meio aéreo e 22 viaturas, estavam a combater um incêndio na freguesia de Pousa, em Barcelos, distrito de Braga, cujo alerta foi dado às 16:35.

Em Monchique, distrito de Faro, estão mobilizados 158 bombeiros e 54 meios aéreos. O incêndio deflagrou na Portela das Eiras, tendo sido dado o alerta às 16:47.

Noticia atualizada às 18:40h.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.