Dois fogos de "grandes dimensões" em Santarém obrigam ao corte da A15

Foram mobilizados quase 300 bombeiros, apoiados por mais de 70 veículos e seis meios aéreos. Incêndios "estão muito perto um do outro"

Dois incêndios lavram esta terça-feira à tarde em Santarém, mobilizando um total de 270 bombeiros, apoiados por 72 veículos e seis meios aéreos, no combate às chamas, tendo já obrigado ao encerramento da A15, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

De acordo com o comandante José Carlos Pereira, do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém, o primeiro incêndio deflagrou às 16:02 na zona de Casais Porto Oliveira, concelho de Abitureiras, e está a ser combatido por 177 bombeiros, 49 veículos e cinco meios aéreos.

O outro incêndio lavra desde as 16:49 na zona de Malaqueijo, envolvendo 93 operacionais, 23 veículos e um meio aéreo no combate às chamas.

Segundo o responsável do CDOS de Santarém, os dois fogos encontram-se ativos e são de "grandes dimensões", tendo obrigado as autoridades a encerrarem a autoestrada 15, por volta das 17:25, devido ao "fumo intenso" e ao facto de "as chamas terem passado a autoestrada de um lado para o outro".

Uma das principais preocupações dos operacionais no terreno é evitar que os dois incêndios se encontrem e se juntem, dado que "estão muito perto um do outro", distando apenas cerca de 700 metros, acrescentou.

Quanto a aglomerados populacionais junto aos incêndios, José Carlos Pereira afirmou que para já não tem informação de que haja populações em risco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.