Costa vai esta tarde a Monchique

O primeiro-ministro, António Costa, desloca-se esta tarde a Monchique, às 15:00, acompanhado por ministros e secretários de Estado, para se reunir na câmara local com os autarcas das zonas afetadas pelo incêndio

Uma semana depois de ter começado em Perna Negra, consumindo 27 mil hectares, o incêndio de Monchique foi dado como dominado. Esta tarde, o primeiro-ministro António Costa desloca-se à zona da área ardida acompanhado de ministros e secretários de Estado.

A delegação chefiada pelo chefe do governo será composta pelos ministros da Administração Interna, Eduardo Cabrita, Adjunto, Pedro Siza Vieira, e pelos secretários de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson Souza, do Turismo, Ana Mendes Godinho, da Habitação, Ana Pinho, da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, e das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, informou fonte do gabinete de Costa.

Na reunião estarão os presidentes das câmaras de Monchique, Portimão e Silves bem como representantes da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve e da Associação de Municípios do Algarve.

O objetivo, adiantou a fonte do gabinete do primeiro-ministro, é fazer um ponto de situação da necessidade imediata de apoios e estudar as respostas a dar às populações.

A deslocação do primeiro-ministro surge após a visita do ministro da Administração Interna Eduardo Cabrita a Monchique esta manhã.

Estas visitas estão articuladas com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que também irá ao local, embora ainda não tenha sido anunciada uma data.

A segunda comandante operacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, deu hoje como dominado o incêndio que lavra há uma semana em Monchique, mas sublinhou que ainda não é o momento de cruzar os braços.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.