Costa vai esta tarde a Monchique

O primeiro-ministro, António Costa, desloca-se esta tarde a Monchique, às 15:00, acompanhado por ministros e secretários de Estado, para se reunir na câmara local com os autarcas das zonas afetadas pelo incêndio

Uma semana depois de ter começado em Perna Negra, consumindo 27 mil hectares, o incêndio de Monchique foi dado como dominado. Esta tarde, o primeiro-ministro António Costa desloca-se à zona da área ardida acompanhado de ministros e secretários de Estado.

A delegação chefiada pelo chefe do governo será composta pelos ministros da Administração Interna, Eduardo Cabrita, Adjunto, Pedro Siza Vieira, e pelos secretários de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nelson Souza, do Turismo, Ana Mendes Godinho, da Habitação, Ana Pinho, da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira, e das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, informou fonte do gabinete de Costa.

Na reunião estarão os presidentes das câmaras de Monchique, Portimão e Silves bem como representantes da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Algarve e da Associação de Municípios do Algarve.

O objetivo, adiantou a fonte do gabinete do primeiro-ministro, é fazer um ponto de situação da necessidade imediata de apoios e estudar as respostas a dar às populações.

A deslocação do primeiro-ministro surge após a visita do ministro da Administração Interna Eduardo Cabrita a Monchique esta manhã.

Estas visitas estão articuladas com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que também irá ao local, embora ainda não tenha sido anunciada uma data.

A segunda comandante operacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), Patrícia Gaspar, deu hoje como dominado o incêndio que lavra há uma semana em Monchique, mas sublinhou que ainda não é o momento de cruzar os braços.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...