Guarda, Castelo Branco, Portalegre e Faro em risco máximo de incêndio

As temperaturas máximas vão variar entre os 24 graus, em Aveiro, e os 37 em Beja.

Vários concelhos de quatro distritos de Portugal Continental, apresentam hoje risco máximo de incêndio, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Segundo informação disponibilizada no 'site' do IPMA, em risco máximo de incêndio estão concelhos dos distritos da Guarda, Castelo Branco, Portalegre e Faro.

O IPMA colocou também em risco elevado e muito elevado concelhos dos distritos de Beja, Santarém, Portalegre, Castelo Branco, Leiria, Coimbra, Guarda, Viseu, Aveiro, Vila Real, Bragança, Porto, Braga e Viana do Castelo.

O risco de incêndio determinado pelo IPMA engloba cinco níveis, que podem variar entre o "reduzido" e o "máximo".

O cálculo é feito com base nos valores observados às 13:00 em cada dia relativamente à temperatura do ar, humidade relativa, velocidade do vento e quantidade de precipitação nas últimas 24 horas.

O IPMA prevê para hoje no continente céu pouco nublado ou limpo e uma pequena subida da temperatura máxima nas regiões Norte e Centro e uma pequena descida da mínima na região Sul.

De acordo com as previsões do IPMA, hoje o vento deverá soprar em geral fraco do quadrante norte, soprando moderado no litoral oeste, em especial durante a tarde, e nas terras altas até meio da manhã.

As temperaturas mínimas no continente vão variar entre os 13 graus centígrados, em Bragança, e os 22, em Faro e Portalegre. Já as máximas variam entre os 24 graus, em Aveiro, e os 37 em Beja.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.