Incêndio no Póvoa de Lanhoso já deixou de ter duas frentes ativas

O incêndio que ainda não foi controlado obrigou ao fim da manhã a evacuar o parque radical Diverlanhoso e a retirar cem pessoas do local, "por precaução, devido ao fumo", segundo o CDOS de Braga.

O incêndio rural em Porto de Bois, na freguesia de Oliveira, Póvoa de Lanhoso, que tinha "duas frentes ativas" e que chegou a mobilizar 202 operacionais, 61 veículos e sete meios aéreos, já deixou de ter duas frentes ativas por volta das 16:00, estando atualmente com uma frente ativa​​​​, segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro de Braga.

O incêndio, que pelas 15:00 estava a ser combatido por 202 elementos, 61 viaturas e sete meios aéreos, sofreu entretanto um reforço de meios, tendo no combate às chamas 227 operacionais, 71 viaturas e cinco meios aéreos, segundo a página da internet da Autoridade Nacional de Proteção Civil (Prociv).

Este fogo decorre no distrito de Braga, o que mais incêndios rurais tem em curso: seis, dois dos quais em Famalicão e Amares, e quatro na Póvoa de Lanhoso.

Com exceção do fogo na freguesia Fonte da Arcada e Oliveira, "em curso", todos os outros no distrito de Braga estão "em conclusão", segundo a Prociv.

O incêndio que ainda não foi controlado obrigou ao fim da manhã a evacuar o parque radical Diverlanhoso e a retirar cem pessoas do local, "por precaução, devido ao fumo", segundo o CDOS de Braga.

De acordo com o CDOS, um bombeiro "sofreu uma entorse" durante o combate às chamas, tratando-se de "um ferido ligeiro" que já se deslocou ao hospital.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).