Associação de caçadores doa alimento para veados no Algarve

Será enviado palha, ração e pedras com sais minerais

Uma associação de caçadores vai enviar alimento para os veados que vivem na serra de Silves, no Algarve, após o incêndio de agosto ter destruído zonas de alimentação dos animais, foi esta quinta-feira divulgado.

A ajuda da delegação portuguesa da Safari Club International (SCI), a Lusitânia Chapter, vai ser transportada na terça-feira desde a zona de Évora até à Herdade da Parra, no concelho de Silves.

"Vai seguir um camião pesado, carregado com uma tonelada de palha, alguns sacos de ração e cerca 20 pedras de sais minerais", revelou Rui Sequeira, da SCI Lusitânia Chapter, em declarações à agência Lusa.

Silves foi um dos três concelhos do distrito de Faro, juntamente com Monchique e Portimão, afetados pelo fogo que deflagrou em 03 de agosto, e foi dominado uma semana depois, causando 41 feridos, um em estado grave.

De acordo com o responsável, a operação, em colaboração com o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), vai permitir distribuir alimento por várias zonas do núcleo populacional de veados.

Rui Sequeira disse que chegaram à associação de caçadores informações de que "os animais estariam sem alimento e em risco de sobrevivência", porque o incêndio de agosto "destruiu zonas de alimentação".

"Sendo nós uma organização de caçadores, entendemos que o nosso contributo deve ser para uma espécie cinegética", assinalou, acrescentando que está nos estatutos a realização de "ações de apoio à conservação da natureza, sustentabilidade das espécies e incremento da biodiversidade".

O dirigente da SCI Lusitânia Chapter notou que a população de veados se disseminou pelas zonas de Monchique, S. Bartolomeu de Messines e S. Brás de Alportel, depois de a espécie ter sido introduzida, nos anos 1980, na Mata Nacional da Herdade da Parra, em Silves.

O responsável indicou que o alimento para os veados foi comprado pela organização de caçadores, com recurso a verbas provenientes da quotização dos associados e da realização de eventos.

Este ano, além desta ação, estão previstos apoios da SCI Lusitânia Chapter a instituições de ensino superior para o estudo de doenças que estão a aparecer em javalis e veados, assim como a colaboração na criação de um plano de gestão para o corço.

Ler mais

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O legado de Joana Marques Vidal

Os últimos meses foram marcados pelo tema da (não) recondução da procuradora-geral da República, desde que a ministra da Justiça avançou há nove meses com a ideia de que a interpretação que fazia do texto constitucional é que se tratava de um longo e único mandato. Além da lamentável extemporaneidade destas declarações, a tantos meses do término do mandato ficou muito claro desde início que a questão subjacente à recondução de Joana Marques Vidal era de natureza política e não de carácter jurídico.

Premium

António Araújo

Ex-votos

No Estio de 1736, em dia que se ignora, saiu em sua mulinha o beneficiado Manuel Antunes, natural de Barbacena. No caminho das Portas da Esquina para a Horta dos Passarinhos havia uma ladeira pedregosa e íngreme, onde se lhe espantou a mula, por razões desconhecidas. Uma e outra vez caiu ao chão o clérigo, ficando muito ferido, e em muita aflição. Naquele aperto, suplicou aos céus, salvou-se. Em cumprimento da promessa feita, mandou reparar a tosca cruz que por lá havia, campos da Torre das Arcas. O lugar rapidamente ganhou fama de milagreiro. Fez-se então a romaria que ainda hoje perdura. E ergueu-se a ermida que tem o nome de Igreja do Senhor Jesus da Piedade de Elvas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Saúde e sustentabilidade democrática 

Penso que não há ninguém que refute que uma das características indissociáveis de toda e qualquer sociedade democrática é a sua capacidade de debater, de uma forma que se quer construtiva e evolutiva, também sobre si mesma e os seus índices de desenvolvimento. Na nossa perspetiva ocidental e europeia, o conceito de democracia parece já enraizado por todos e em todos, ao ponto da quase estagnação. Mas será aconselhável estarmos, enquanto país ou até como membro integrante da união política e económica, tão descansados assim?

Premium

Adriano Moreira

A ambiguidade da política

Além do sentido académico da palavra, designando o pensamento político, "teorias políticas", "filosofia política", "ciência política", tal sentido afasta-se do exercício dos que a praticam, tendo em vista o poder de governar. Dão-se exemplos como o de Lord Butler, que a definiu como "arte do possível", cinicamente como D'Israeli, que a definiu como a arte de governar os cidadãos desiludindo-os, ou, finalmente, e cobrindo intenções menos tranquilizantes, entendendo-a com Hitler, como a arte de mobilizar uma nação para defender a sua existência. Em todo o caso, o mais corrente, entre estadistas responsáveis, é entender a política como a arte de conciliar interesses opostos.