António Costa preocupado com aumento do risco de incêndio no interior norte do país

De acordo com o primeiro-ministro, "é importante que todos fiquem cientes desse risco para evitar comportamentos que são comportamentos perigosos". Proteção Civil alertou, num aviso à população, para o risco máximo de incêndio florestal em concelhos das regiões do interior norte e centro, Minho, Douro Litoral e Norte do Alentejo.

O primeiro-ministro manifestou-se esta quinta-feira preocupado com as previsões meteorológicas que indiciam um aumento do risco de incêndio a partir de sexta-feira, o que poderá levar a que seja acionado o alerta vermelho para os distritos do interior norte.

"As previsões podem implicar que a partir de amanhã [sexta-feira] o Ministério da Administração Interna venha a declarar um risco de alerta vermelho, o que tem consequências com um conjunto de proibições", disse aos jornalistas António Costa, no final da reunião semanal com o Presidente da República, que esta tarde decorreu em Sagres, no Algarve.

De acordo com António Costa, "é importante que todos fiquem cientes desse risco para evitar comportamentos que são comportamentos perigosos".

Minutos depois do primeiro-ministro o português revelar preocupações com a população do norte do País, a Proteção Civil alertou, num aviso à população, para o risco máximo de incêndio florestal em concelhos das regiões do interior norte e centro, Minho, Douro Litoral e Norte do Alentejo.

No aviso, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) refere que o risco de incêndio é elevado a muito elevado nas restantes regiões de Portugal continental. A ANPC justifica o aviso com as "condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios rurais" devido à previsão de tempo quente e vento moderado.

O aviso da ANPC recorda que, nestas circunstâncias, é proibido fazer queimadas, fogueiras, lançar foguetes, fumar ou fazer lume nas florestas e nas estradas circundantes e que os trabalhos agrícolas e florestais devem ser feitos com máquinas e outros equipamentos limpos de óleos e poeiras, evitando o seu uso nos períodos de maior calor.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.